quinta-feira, 28 de abril de 2011

Momento

É manhã.
O céu está coberto de nuvens.
Faz frio.
Neste átrio, além de mim, não há ninguém.
Luzes acesas.
As máquinas soam sem parar, ar condicionados e frezeres.
Ouve-se o eco, pois estão espalhados por todos os lugares.
Consomem eletricidade.
Sou e não sou, neste momento componho
essa paisagem e produzo o som do dedilhar
no teclado do computador.
Além de mim, neste átrio, tudo aqui está estático.
Só a lâmpada emana luz.
Através da janela vejo o verde do jardim,
mas não a abro, está frio lá fora.
e se abrir uma brisa vai esfriar esse lugar.
Olho para minhas coisas,
minha caneca com terere,
minha caneca com jasmim branco,
meu calendário e diversas coisinhas.
Todas no lugar que organizo.
E o som ecoa, longe feito queda de cachoeira,
sou estático, no entanto
meu pensamento está concentrado em descrever,
o agora.
O cursor pisca sem parar.
Vejo diversas formas e cores iluminadas pela luz que me dizem
muita coisa ou não me dizem nada.
Ouço uma rádio de muito longe de Bogotá,
HJCK, toca uma música
que condiz com este momento
em que sou só,
como quase sempre me encontro,
só habitando meu mundo subjetivo,
aliás que universo enorme.
tan, tan, tan, .... é som de piano.

Nenhum comentário:

Postar um comentário