terça-feira, 5 de abril de 2011

Mente

Hoje tudo o mundo do jardim está calmo, quente e verde. Nenhuma folha se move se move. As folhas estão tão coriáceas, as inflorescências secas. Tudo está numa monotonia. O Phillanthus acidos foi molestado por larvas de lagartas, parece até que morreu, mas não, ele é muito resistente na próxima estação estará forte. Sempre renova a custo de muito sofrimento. As plantas estão paradas, quietas, pois o vento não veio assanha-las. O tempo é que cuida delas que dar a elas a oportunidade de serem lindas e é o tempo também quem as faz triste. De tempo para elas se remontarem, renovarem. Miro então o céu azul, com cúmulos esparços, pombos sobre as paredes e o ócio. Preso entre as paredes, fixo a essa janela. Tenho a natureza através daquela e através desta janela que é meu computador, decodifico o mundo. Mas estou preso a esta janela, vez por outra olho através da janela para ver o mundo, para fugir do meu mundo. Ouço música. Não sei onde me encontro. Meu corpo pode esta aqui presente, mas minha mente mais veloz que a luz viaja. Minha mente não tem um lar. Por isso olha através da janela pra ver se a encontro nas plantas, no jardim, nas nuvens, na música. Qual será a natureza de minha mente? Quando vou poder está pleno com ela?Sabe lá, por isso fico buscando a essência na beleza do jardim, das plantas, no vento. Fora de mim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário