terça-feira, 12 de outubro de 2010

Natura

Dia de primavera,
o sol brilha intensamente,
o vento soa nos ramos novos das árvores,
só o vento soa o resto é só silêncio,
as aves não cantam, os cães não latem,
as plantas verdejantes dão adeuses.

Os muros, as casas com suas paredes sujas,
coloridas, urbanas verdadeiras catacumbas,
parecem vazias,
as pessoas nos seus átrios,
macambuzias,
que feriado silêncioso, vazio para quem não é católico,
nem descanso, nem respeito,
só o sol brilha,
sozinho neste átrio,
viajo ao som do vento,
vento que viaja em me conta suas viagens,
vindo do além e indo para não sei onde.

Quem me dera ser como o vento,
deixar de ser humano,
viajar e ver as cores do mundo,
no azul do mundo da terra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário