quarta-feira, 2 de novembro de 2011

tradução DNA

Tempo,
espaço,
cor,
forma.

Na concha do tempo,
nos caracóis do cabelos
 me perco e me encontro.

Quantas voltas me dar o tempo,
que extensão tem o meu corpo?

Faces, braços, pernas,
troncos o corpo.

Os sentidos filtram para nós o mundo,
a ciência ler o mundo com mais profundidade.

E contamos o tempo,
em anos, décadas,
então morremos,
nossa geração,
não se perde na concha do tempo,
e fica apenas
a memória ou  não fica nada,
tudo que permanece é a leitura
do DNA.

Nenhum comentário:

Postar um comentário