sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Odores

Os odores

As coisas que tem odores,
guardamos na memória,
e revivemos quando sentimos.
Quando sentimos os odores,
das flores, das almas,
de comidas, das bebidas,
das roupas lavadas,
das cobertas,
quão fortes são as memórias,
cheiros de vitórias,
de amor,
de dor,
lembro do cheiro
do posto médico de quando era pequeno,
do cheiro da anestesia bucal,
lembro do cheiro da roupa
passada a ferro a brasa,
do cheiro branco da farda,
do cheiro amarelo do cajú,
do cheiro ácido amarelo do cajá,
da castanha do cajú em ruma,
do cheiro do barro molhado seco sendo molhado pela chuva,
da garapa de cana fervendo nas caldeiras,
das flores de laranjeira, cafezais,
do doce cheiro da dioclea, mimosa, cardeiro,
lembro do cheiro das vezes secas de gado,
da água com caparosa,
dos mufumbais,
Recentemente passei a amar o cheiro do jasmim,
mas nem sempre foi assim,
jasmim em minha terra era usado para enfeitar defuntos, não tinha boas lembranças
me dava medo os jasmins,
na casa de Eliza tinha um enorme pé de jasmim,
na casa de minha avó tinha um pé também, mas
apaguei aquelas memórias,
Jasmim hoje cheira para mim.
Gosto do cheiro da magnolia.

A vida é mais bela
quando fico assim,
quando sinto cheiro de jasmim,
de Sestrum,
cheiros da noite,
noites frias,
porque as quentes, nos tiram o sono e os sonhos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário