segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Sinfonia

Sinfonia

A serpente entra e com o olhar faz todos os animais calar,
olha fixo, cada um dos animais como vítimas,
inspira e expira e anuncia, Hoje iremos tocar,
uma peça de Bethoveen, e uma adágio,
é preciso silêncio, e começa a suar,
a harmonia, mas a chuva não cala,
assim como os bichos,
carros de supermercado passam,
então viajo no tempo,
sim quantos milhões de anos
não chove na terra,
quantos milhões de anos
não banham as árvores,
volto e olho a expresão e a destreza da
serpente,
que parece dançar,
acaba a peça e
a serpente anuncia um baião,
não vai ter o adágio,
Vai ter um baião,
de quem? Só conheço Vila Lobos!
Não sei,
toque o baião, lindo brasileiro,
a serpente parece dançar,
findo o baião,
toca Sibelius,
Música pra ser tocada no silêncio polar,
que sem muita graça
toca,
e fim a serpente anuncia última peça,
como assim só três peças,
e acaba a serpente sai ondulando,
e a chuva não cala,
raios aparecem,
trovões bradam
é tarde e o céu
escuro,
o dia escuro,
dia de chuva,
e sinfonia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário