quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Vinte

Pela manhã, saia do meu apartamento de número 20,
ouvindo a bandnews e caminhava para a Embrapa
Até a sala de número 20.
Chegava, abria a porta de número 20,
Entrava e abria o computador,
Ligava na tomada 220 volts.
E punha uma música, de Mozart.
Então, ela vinha de um lugar que não era de número 20.
Mas entrava pela porta de número 20,
Ela que não tinha 20 anos ainda.
Abria um sorriso maior que a lua cheia quando nasce.
Nos abraçávamos, seu cabelo dela cheirava a mel.
Sua voz suave. Comentava o que acontecera fora da sala 20.
Ouvia e ela perguntava o que ouvia. 
_ Mozart respondia. -É óbvio.
Ela pedia para colocar Chopin.
Como poderia negar aquele olhar e aquele riso.
Então ao som de Chopin sorria  a sala 20.
E assim, Senhorita Stêfani,
Vicie-me em Chopin,
Na sala de número 20,
No meu apartamento de número vinte...
Soa suave agora no 303...
Em algum lugar do mundo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário