quinta-feira, 2 de maio de 2013

Esperança

Numa pequena rua
de um pequeno povoado,
no meio de um cerrado
vivia um menino.
Seu nome era Chico.
O menino crescia naquela pequena rua
e falava com simplicidade
tudo que descobria era tão grande
em relação aquela rua.
O menino gostava empregar os nomes que aprendia.
Sua mãe era simples e muito zelosa
e sempre o abraçava quando fazia algo de errado.
Ela sorria e dizia cria tento menino.
Mas a mãe morreu de febre
e o menino que era filho único
ficou ali sozinho,
seu pai nunca soubera quem era.
Dizem que era um caminhoneiro que passou ali
e numa noite de festa embriagara sua mãe.
E Chico não tinha avó,
pois sua mãe perdera os pais
em movimentos rurais,
chegara ali com os tios que morreram cedo afogados no rio.
E Chico cresceu só.
Seus olhos eram pura tristeza,
depois que sua mãe morreu
nunca mais nomeou nada
se tornou recluso em si.
Vivia abandonado feito um cão
tolerado por ser inofensivo.
Comia do que sobrava,
numa casa e na outra.
Trabalhava por um prato de comida.
Certo dia ele sonhou com sua mãe
vestida de azul e um manto branco
e no sonho ela disse.
Chico vive a vida.
Então quando acordou ouviu o canto das aves,
viu as cores das flores,
E se sentiu firme
para continuar a vida.
Chico cresceu 
crendo no sonho materno...
E assim viveu 
e assim se tornou
um grande poeta nomeador.

Nenhum comentário:

Postar um comentário