domingo, 8 de novembro de 2009

Vida

Quando me olho no espelho,
vejo que me falta cabelo,
vejo que em meu rosto sugem expressões riscadas,
vejo que não me reconheço,
porque simplismente não penso o ser, o espirito,
penso a matéria,
penso que meu tempo está se esgotando,
não penso que não sonho mais tanto,
não vejo que tenho dinheiro, mas as balas não são mais tão doces,
que os brinquedos perderam a graça.

Quando me olho no espelho,
vejo o quanto como, pra saciar minha anciedade,
não pra me sustentar, minha barriga não para de crescer.

Quando olho no espelho,
vejo uma barba que cresce sem parar, hirsuta,
que conta o meu tempo,

meu tempo que me resta,
que conta a conta gota minha vida,
minha existência, que não me perdoará,
um dia levará minha existência,
ainda bem que quando chegar,
quero está bem velhinho,
sem nenhum desejo ou prazer.

quero consumir a vida, enquanto desejo ou prazer puder ter,
enquanto força me restar,
quero ficar bem velhinho,
e só então a morte pode me levar,

não quero deixar nada para a vida,
quero como uma vela consumir o meu corpo,

porque sei que o meu dia vai chegar,
espero que tarde,

que eu possa olhar muitas vezes no espelho
e possa ver o que sou e refletir o que fui,
e ter orgulho de ter vivido uma vida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário