quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Definição

A sombra da noite,
Feixes de luz distante,
Som macio do piano.
Reflexivo, penso o que conheço, reconheço no meu entorno?
Alguns padrões,
Um breve entendimento da realidade,
Percepções, sensações entremeados de sentimentos.
Emoções.
Por que sensação de fome?
Por que ansiedade?
Por que sou quem eu sou?

Como pode algo mudar?
Será que é a metafísica no sentido Pessoa?
A solidão parece ser uma dádiva
Me leva a monologar intensamente.
A me perder num universos de seres,
Como roupas num guarda roupa que visto para usar,
Para me expor ao outro.
Sob a roupa um corpo num apto a vestir da pior a melhor roupa.
Na eterna busca de uma definição inexistente.
Haveremos de encontrá-la?

Isso tudo me leva a pensar quando a sombra da noite revela meu ser perante a solidão.
E o mundo me é revelado sob reflexão.

Reflexão

A tarde que vai,
A noite que chega,
A luz que dissolve,
A sombra que preenche,
Ruindo sem formas,
Morcegos se ecolocalizam,
Um pássaro pia longe...
E o silêncio se faz.

A madrugada de hoje estava limpa,
Céu estrelado,
Os galos cantando,
A luz revelando a natureza,
As formas, as cores....

As possibilidades são maiores ao amanhecer.

Dia consumido,
Enfim quando se chega em casa,
É sempre bom haver reflexão,

A natureza recatada,
Se embrenhando na noite pelo ocaso.

Haverá um amanhã para mim?

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Elo

O tempo,
As memórias,
O ser,
Os fatos,
Os acontecimentos...
Felicidade e tristeza.
Ir e vir.
Ser e não ser.

Tudo se enlaça,
Se amarra,

Nessa teia que é a vida.

Nossas razões e principalmente nossas emoções
Que aprendemos que há e a domar...
Quando aprendemos sobre a maestria da vida.

Já estamos na metade da vida.
Não tem como recuar,
É necessário seguir.


Ave Maria

Antes que seja dia, ainda quando a noite esfria, cores de brasa se acende no nascente. O primeiro crepúsculo que anuncia a chegada de Apolo. Estou de pé, saio para a rua alumiada por filamentos incandescentes, sub as árvores dorme uma sombra que oculta o solo, essa sombra fria e intocável é essência da árvore que se fez e durará até que dure essa vida. Caminhando reto sobre os paralelepípedos de granito angulado pela força humana seguindo até o asfalto essa pasta sólida cor da noite, as vezes quando não está nublado o espelho da lua me encanta. Sigo pensando na vida. Sempre a solidão me lembra quanto a vida é efêmera. Às vezes ouço alguma música, mas quase sempre ouço palestras. No sombrio da madrugada seguindo com a madrugada me acompanha a manhã.
Vida... Vida.
E durante o dia o contato com as pessoas, as aulas, as situações e ocasiões me cansam.
E quando cai a tarde e o segundo crepúsculo faz a natureza se calar, a luz dourada se afastar, finalmente é noite novamente. Então os morcegos saem a forragear.
No ocaso tudo é silêncio.
Até minha alma se cala.
Tenho paz.
Nada de pensar na vida.
Seis hora... toca uma ave Maria. Não ouço a mesma tocada por Schubert...
Mas a de Gonzaga...
Neste momento sou humano...
Se une em mim o passado, na lembrança dos meus entes idos,
O presente no momento que ouço,
E o futuro quando meu peito se enche de esperança.
Esperança que a vida continuará em sua tristeza e finitude a fazer o homem pensar,
Esperança em sua esperança e alegria na qual a vida continuará
A surpreender...
A vida é eterna e cheia de significados.
Cabe encontrar o seu.

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Noite

É noite, depois das chuvas o céu está mais limpo e as estrelas rutilam aprofundando a noite e aproximando o dia. Enquanto a maior parte de nós dorme, enquanto isso, há gente boa e ruim acordada, nas macas, nas cadeias, nas igrejas, nas academias, nas ruas, nos centros.
Pensando na vida... não encontro nada além de recordações. Tudo muito subjetivo.
E a noite continua linda, enquanto durmo profundamente me preparando para o amanhã.

terça-feira, 8 de agosto de 2017

Poesia do bem amor

Pela manhã quando ti vejo,
Ai que vontade de te roubar um beijo,
É como raio de luz primeiro e manhã toda orvalhada,
Que refrata nas gotas do sereno,
Essa luz dourada do sol nascendo,
E enche tudo de paz e alegria
Feito pássaro cantando na pradaria,
Um canto alto, belo e estridente,
Que me deixa todo contente,
Só em poder te contemplar,
feito noite de luar,
Poder assim estar,
Presente, pelo menos em mente.
A descobrir como é amar.

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Parabéns irmão!


Na vida, algumas pessoas têm mais sorte que as outras. Algumas nascem órfãos, enquanto outros além de terem seus pais, tem ainda um irmão mais velho. Que, de certo são braços, faróis, suportes e porque não anjos? Meu querido irmão, Rosembergue, desde sempre foi tudo isso para todos nós sob o teto de papai e mamãe. Desde muito cedo quando começou a trabalhar, aprendeu o valor e a importância das coisas, do amor, do respeito e da generosidade com que se deu a família. Mal se tornou de maior, se pôs adulto, e foi embora para terras distantes, seguindo a sina de um retirante. Com 19 anos chega a São Paulo, tinha apenas 10 anos ainda, e desde então nosso contato se dava através de carta, de telefonemas semanais. Foi dele que recebi a primeira ligação telefônica na TELERN da serrinha. Nos primeiros anos de vida só no novo lugar, distante da família, dos amigos e até mesmo de tudo que conhecia teve que se adaptar à nova vida que se resumiu a trabalho, intermitentes. Para si, mas principalmente para ajudar em casa. De certo foi o nosso grande pilar nos grandes anos de seca. Uma grande doação de vida pelos outros. Não tem como não reconhecermos. Até hoje, desconheço quem não goste e não o admire. Esse grande homem que hoje completa mais um ano. Dos seus 47 anos, mais da metade se sua vida se deu em terras distantes. Parabéns meu querido irmão. Saiba que é em sua simplicidade um dos meus maiores exemplos de vida, muito embora as palavras entre nós seja muito poucas, mas nosso amor está nos gestos, no carinho, no respeito e na cumplicidade sanguínea.

Um forte abraço e Parabéns!

segunda-feira, 31 de julho de 2017

Intenção cotidiana

Noite após noite, dia após dia há a monotonia...
Aquela rotina se repetem e parecem que existirão ad infinitum.
Doce ilusão...
Quanta rotina acabada em nossas vidas!
Quantas coisas novas que caíram na rotina,
E quando se acabou deixou saudade.
Semelhante sensação ocorre quando lemos livros com muitas páginas.
Ao final sempre resta saudade.
Quantas rotinas na vida.
Das bocas de noite da infância,
Aos encontros na sala de estudo,
Aos churrascos na casa do Estrela,
Até a solidão brasiliensis culminando com a pessoense.
Mas a vida costuma nos surpreender já me dizia um velho amigo que não é tão velho.
Talvez sofram mais aqueles que se apegam demais a vida,
Aos momentos, as coisas, até mesmo mais que as pessoas.
Bom, mas que não percamos nossas únicas e maiores heranças que são as orações.
Talvez se a gente nem isso herdar,
Nada sobrará, como já não sobra.
Talvez apenas as letras, as palavras e a intenção que aqui fica.

domingo, 30 de julho de 2017

Domingo

Domingo,
Casa vazia, fria e organizada.
A organização dar um ar de solidão.
A luz atravessa a janela
E deixa transparecer o isolamento presente nas cidades.
Ausência de movimento,
Nada de transeuntes, carro ou pássaros, exceto o vento se move...
Vejo os livros, adereços na parece alva.
Então decido ouvir algo! Dúvidas na seleção.
O vento quando presente no ambiente requer Mozart.
Levanto da cama, como algo até receber o telefonema único da semana de mamãe.
Depois fico a pensar na vida,
Na existência...
Até não sobrar nenhum minuto do dia.

Fotografia

Uma fotografia,
Um instante congelado,
O tempo cristalizado.
No breve instante em que vejo a imagem
E extraio de minha memória recordações...
Que recordações,
Que pensamentos serão desencadeados?

A substância substrato da existência,
A simetria e sintonia que nos impressiona.
Beleza ou espanto?

Por um segundo me perco nos pensamentos,
Fujo da realidade,

Sou plena abstração.

Vejo,
Revejo,

E encontro um refúgio em meu meu mundo.
Peculiar mundo.

Meio termo

Existência,

Sexta-feira.

Nasce a manhã e através dela vem os estímulos para seguirmos nossas jornadas, ou melhor as nossas vidas. Assim, despertamos para mais um dia e somos assim a existência.

A existência que é definida como o fato de viver, de está vivo; a vida.

O que dá sentido a minha existência?

Família, amigos, trabalho, casa, hábitos, objetivos...

Mas a vida é curta para viver intensamente tudo,
Então temos que fazer nossas escolhas!
Sermos convictos de tudo que escolhemos para não nos frustrarmos.

Cada um tem que encontrar seu meio termo.


quarta-feira, 26 de julho de 2017

Vida

Que estranha mania de se apegar a vida.
Se apegar a lugares,
Se apegar a coisas,
Se apegar...
O que podemos ter com esses corpos frágeis.

Corpos esses orgânicos, macios com um esqueleto de ossos por vezes porosos,
Coberto de tecidos os mais diversos,
Com glândulas as mais diversas, endócrinas e exócrinas...
Que controlam tantas emoções,
Turbilhões...
Toda biologia cosmogênica,
Atravessando o caos universal,
Seguimos todas as leis da física...
Criamos e revogamos a razão!

Deus do céu... Júpiter... Buda.

Tantas referências e criações

Num espaço tão curto chamado vida.

domingo, 23 de julho de 2017

Delinear

O tempo passa intermitentemente,
Ontem, hoje e quem sabe amanhã.
Nossas raízes, nossas referências!
A distância e a proximidade nos influenciam
E nos delineiam e nos tornam quem somos.
E nós sequer sabemos o que somos!
Seque tomamos consciência,
Apenas somos, aceitamos nossas existências
Sem tomarmos consciência desta...
Cremos ser eternos,
Mas a vida nos educa,
E vemos a vida passar,
Percebemos as fazes da vida,
Somos domados a aceitar quando não damos ganas a nossas gerações para serem o que não conseguímos ser.
Ora, quando nos chegará a maioridade?
Quando tomaremos consciência de que a vida é passageira,
Em eventos, em catástrofes... ou nem mesmo assim?
Será que nossos anseios por novidades estão nos cegando?
A cada dia que vivo em minha vida, muitas coisas são elucidadas, todavia mais dúvidas passam a assolar minha vida... crescem em ordem geométrica.
Cada vez mais vejo verdades humanas ruírem...
Cada vez mais entendo que as leis da natureza  são as únicas verdades existentes...
Subjetivismo a parte a vida segue.

quinta-feira, 20 de julho de 2017

Com Fé

Cai a noite silenciosa e escura.
O silêncio das sombras,
O frescor dos pingos da chuva.
Mais um dia se foi,
Mais uma noite chegou,
Aqueles que dormem uma oração,
Uma Ave Maria,
Aqueles que virão esperança,
Mais uma jornada cumprida.
Seguimos firmes, sem medo
Do amanhã,
De peito e alma cheios de luz
Com fé...
Que tudo pode ser melhor sempre.

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Surpresas

O tempo!
O tempo me ensina tanto,
A cada momento uma nova chance.
As surpresas são infinitas,
Os fins, existem...
Pensamentos, ideias... alguma correção?
Ah!
Surpresas...
A vida costuma nos surpreender.
Que assim seja.

domingo, 16 de julho de 2017

Cada um

Acordar!
Sentir a vida,
Numa suave manhã perceber sua existência,
Entender que tudo é finito!
Que um dia nasceu
E que um dia morrerá;
Nesse meio tempo tem a vida
E há aqueles que sabem como desfrutá-la,
E aqueles que só veem dificuldades.
A verdade é dura, mas tudo depende de como encaramos os problemas.
Se está na cama e é domingo durma ou acorde para fazer o que gosta.
Viva!
Faça isso.
Cada um sabe como viver melhor.

quinta-feira, 13 de julho de 2017

Graça

A gente tenta se segurar na existência, pois cremos que esta seja tudo.
Os sentidos nos orientam e apontam esta direção.
Fazemos um esforço hercúleo para entender o mundo e quando estamos palpando,
Temos que partir.
Observamos e aprendemos uma noção de certo e errado e nos apegamos com toda força
A nossas crenças, mas há algo oculto muito sublime a tudo isso.
Existir... ser... poder mudar, criar e lutar até o fim.
De certo valerá a pena.

quarta-feira, 12 de julho de 2017

manhã

Manhã nublada,
Brisa fria,
Flores vivas, azuis, brancas, amarelas...
O canto aleatório das aves,
Viva, viva, vida,
Numa manhã de julho.

A busca

Dias de reminiscências! Dias intensos, de frio, de flores, de formas e de cores.
Um fantasma a me amedrontar. A breve existência, a dor e a história das pessoas.
O tempo a passar tão agradável.
Mamãe ativa, pinha doce madura no pé.
As tardes agradáveis.
As implicâncias de mamãe com papai,
O meu silêncio,
O silêncio dos cachorros.
Jesus Cristo!
Uma fotografia,
Ser esse ser que sou...
Encontrar algo no nada.

Manhã em serrinha do canto

As coisas aqui em casa embora haja um padrão e sua peculiaridade não são mais como eram. Muito de tudo mudou até mesmo porque existir é mudança e movimento. As a gente consegue filtrar algo e encontrar um motivo para seguir e esses cortes que acontecem quando me ausento são deveras um vazio uma descontinuidade que me faz perder no espaço e no tempo. Hoje e essa semana pude reviver muito do que apenas existia na minha memória coisas simples como o vento de julho que carrega consigo o frio é o chiado das folhas, o canto alegre das aves papacebos, roxinol, vem-vem, sanhaçus, canto de ouro... E ver as plantas perdendo as folhas cajaranas no chão tão amarelinhas, doces e perfumadas, canafístulas floridas, jerimuns e o mato cheio de plantas floridas as jitiranas alvas, azuis e rosas, pinha madura no pé e o perfume dos cajueiros floridos... Voltei a infância. Que memórias arrebatadoras cheias de felicidade.

Despertar

A manhã nasce fresca.
O vento sopra do nascente sacode as folhas e os ramos e faz  um chiado gostoso.
Ao mesmo tempo cantam os sanhaçus e papa-cebos.
 A luz dourada atravessa as frestas da janela enquanto desperto contente.
Levanto para o mundo é para a vida.

segunda-feira, 3 de julho de 2017

Efêmera

A neblina que cai junto com a manhã.
Lembranças fixas na tela da mente.
Lembranças de um tempo acabado,
E por que ainda existe?
Porque existo!
Quão profundo subjetivo ser que somos.
Nascemos, vivemos e por fim um ponto final na história,
Entre bilhões de histórias
Como as estrelas na galaxia,
Como areia na praia?
Fixo?
Quem sabe?
Um sopro pode mudar tudo,
Um último suspiro,
A roupa que envolve a carne fria,
O perfume colorido dos arranjos,
Coisas efêmeras...
Pensar a vida.

Agora

Manhã chuvosa,
Canta o canário belga,
Chove e para,
Chopin, Holst, Strawinsky...
Tempo vazio,
Memórias...

domingo, 2 de julho de 2017

Apego

Os livros lidos e não lidos,
As fotografias reveladas e ou simplesmente feitas,
Pastas feitas...
O pó da sala, a ordem feita e a desordem das coisas,
Subjetiva organização,
Breve cosmos mental...
Mente confusa,
Céu azul,
Manhã tardia de domingo...
Tempo que se vai,
Se esvai enquanto sou e nada faço.

Mariposa

Após um dia frio de chuva a noite caiu muito escura e soturna.
As janelas continuaram aberta deixando entrar o ar fresco preencher o recintos vazios do apartamento.
As sombras da noite fazem apagaram as formas e a distâncias das coisas.
No escuro nada se ver, temos que usar dos demais sentidos, apenas a mente pode ver as memórias.
Certamente as memórias das sombras não são tão agradáveis, exceto para pessoas com pudor numa relação carnal.
A vida passa na nossa vista. Memórias, memórias... finitas, reais ou surreais.
Então uma mariposa atravessa a janela.
Perdida?
Voa sem direção exata,
Se choca contra as coisas
De sorte que seu corpo é leve e seu voo suave.

Nem preciso imaginar o que é,
Reconheço o padrão desse som
Através das descrições literárias,
Bem como dos momentos que estou sozinho a noite.

O escuro noturno,
As asas da mariposa,
Ocupam a existência
E tentam preencher o vazio em que me encontro muitas vezes no existir.

sábado, 1 de julho de 2017

Do nada

Ordem,
Caos,
Tempo,
Espaço,
Nocturne... Chopin.
Os pingos da chuva molhando a rua, escoando das folhas.
Uma manhã, a primeira de julho de 2017.
Uma manhã chuvosa em a água que infiltra na parede...

A lama, o lixo que é a política brasileira,
A arte de ser político corrupto,
A decepção...
Mas antes de tudo a consciência limpa,

Ordem sempre buscaremos,
Caos sempre nos encontrará,
Tempo marcará o compasso de tudo até o fim.
E no espaço desapareceremos como surgimos... do nada.

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Alvorecer

Existência!
Efêmera, cativante e angustiante.
Existir e saber que vai desaparecer,
E viver parece eterno
Tão eterno que parece que os instantes se arrastam.
Quando buscamos prazer em tudo, a todo momento...
Quando descobrimos que tudo é só ilusão,
Um contentamento passageiro...
Acho que pensar racionalmente pode ser doentio...
Os sonhos, a fé, a ignorância são fontes de felicidade.
As decisões racionais... o conhecimento dos fatos
São fontes de angústia... pode ler Sartre.
Se preferir leia Cora, talvez sinta-se melhor.
No final o que sobra?

quarta-feira, 21 de junho de 2017

O que?

Como encontrar paz interior?
O mundo nos atormenta,
Existir... reagir a tudo que nos aborrece.
O que há por trás das paredes?
Lóculos vazios?
Cheios?
Algo em nós necessita ser preenchido,
Mas como preencher sem sabermos o que nos falta?

terça-feira, 20 de junho de 2017

Existir, Existo

Existir,
Procurar um sentido.
Entender o que nos angustia,
Cada novo aurora,
Encontrar na beleza da natureza,
Nas boas ações humanas motivos para seguir em frente.
E acreditar... na paixão, no desejo, nas surpresas da vida.
Outro dia estava conversando com um amigo
E ele me falou das surpresas da vida... disse: olhe! Nelson Mandela foi presidente com mais de 70 anos.
Quantas surpresas não guardam a vida.

Acho que aprender a ser feliz com cada momento é extrema sabedoria.

Ler Neruda sem pressa...

Um odor, um som, uma paisagem e suas lembranças.

Quão dolorosa pode ser uma vida sem uma motivação, sem uma paixão.

É preciso apimentar sempre a vida de paixão...

Quão branda é a brisa matinal.

sexta-feira, 16 de junho de 2017

Melhor caminho

Consciência,
Inocência,
Memória,
Proteção,
Desenvolvimento...
O que guardamos?
O que descartamos?
Descartamos?
São tantas as variáveis na vida...
Sartre e o existencialismo,
Nietzsche e sua filosofia,
Borges e seus contos...
Você, eu...
O mundo e nossas decisões.
Não existe certo ou errado,
Existe senso...

quinta-feira, 15 de junho de 2017

Casa da vovó

Das lembranças da infância agora lembrei casa de vô Chiquinha. Era uma casa velha e grande, de cor branca incrustada no pé de um alto de barreiras de barro vermelho onde se podia ver as marcas da erosão feita pela água.
E quando ia lá era sempre acompanhado de mamãe ou papai. A gente andava muito a pé o que é bom porque a gente ver melhor o mundo, as plantas e as coisas e as pessoas.
Sempre escolhíamos os finais de semana.
Chegávamos lá e todos estavam na cozinha conversando, tomando café ou só fazendo companhia e maior parte das vezes a sala ficava vazia.
Naquela conversa que pouco entendia, me deixava entediado e só o que eu percebiam eram os objetos, as coisas, os sons.
A gente tem mania de comparar sempre. E quando comparava sempre via que na casa de vovó havia menos objetos que minha casa.
Mas na casa de vovó tinha um golin numa gaiola e para mim era interessante de ver aquele pássaro que pouco via em nosso povoado.
Ficava ali ouvindo o feijão sacolejar na panela até cozinhar, até a manhã passar.
E quando a gente almoçava, esperava o sol esfriar para voltar para casa. Achava que aquilo nunca acabaria.

quinta-feira, 8 de junho de 2017

Mais

Olhar o mar,
O que sinto dentro de mim?
Sinto um medo do finito.
Neste momento gostaria de um abraço,
Um afago...
Vejo uma fotografia,
Busco na memória esse abraço,
Como são passageiros os momentos,
Parecem infinitos,
É como olhar para a linha do horizonte,
Infinita e nunca alcançada.
Ah!
Viver...
Hoje parece que sinto mais saudades.

terça-feira, 30 de maio de 2017

Entender

Passamos a vida tentando entender,
Entender os padrões,
Os motivos,
As farsas,
As alegrias,
As tristezas...
Um sentido para a vida,
Que parece se desfazer completamente num domingo a tarde.

segunda-feira, 29 de maio de 2017

Efemero

Madrugada chuvosa,
Manhã nublada,
A luz tênue que invade minha casa.
Algo a fazer,
Um chá quente,
Coisas para avaliar...
A saudade.

sexta-feira, 26 de maio de 2017

Sentido da vida

Os anos, os meses,
As estações,
Fases da lua
Passam sutilmente sem que percebamos.
A trama humana,
Uma transa,
A paixão profunda ardente,
O nascer do filho,
Nascer do neto.
A morte.
Emoções cotidianas,
Um diploma,
Um emprego,
Aquele olhar correspondido,
Um livro arrebatador.
O sentido da vida ai está.

quarta-feira, 24 de maio de 2017

Verão a vista

E a chuva que vem e vai,
Hoje o sol dourado refletiam o rudo de folhas secas,
Árvores descamando folhas,
Manhãs cada vez mais longas,
Calor, suor,
E o tempo passando.

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Divagar

Sei que não é comum, mas ver e ouvir a chuva chover de madrugada é tão reconfortante em nossas camas.
Ah!
Esta incógnita que é a vida.
Como deve ser vivida?
Como devemos fazer valer a pena?
A madrugada assombrosamente me faz pensar.
E a poesia revela,
A existência é tão dolorosa.
Como mudar tudo isso?
Como aceitar?
Respira,
Fecha os olhos e ouve a chuva.

quarta-feira, 10 de maio de 2017

Madrugada

Madrugada fresca,
Céu enluarado,
Estrelas rutilantes,
O cheiro de umidade,
A sombra das árvores,
A lua caminha para o poente,
O céu limpo, claro,
Feliz caminho na madrugada,
Será se vai chover? 

Sabe lá...
Nem tem como pensar,
Contemplar,
Contemplo...
Mais nada.

domingo, 7 de maio de 2017

Os caminhos

A vida em tudo nos surpreende. Tanta coisa nos impressiona, do nascer ao por do sol, desde uma antese floral até o último suspiro. Acabamos por nos acostumar com cada fato e chega o momento que nem os percebemos, nos acostumamos com as situações que as vezes até mesmo cremos ser imortais. Como precisamos aprender a viver, a separar as situações e os fatos, tendo em vista que cada fato é impar. Nós vamos assim vivendo cada momento que às vezes nem paramos para refletir sobre a vida, sobre nós mesmos. Por vezes a vida parece triste e monótona. Vivemos esperando algo que nos impressione. Por que nos acostumamos com as coisas, de certa forma muitas vezes é necessário como quando perdemos alguém. Ah, nossas paixões, os caminhos e o tempo...

terça-feira, 2 de maio de 2017

Chuva

A chuva chovendo,
Desfiando o dia inteiro,
Faz frio, um frio fresco,
Um frio úmido,
Musgos e algas revivem,
Nos troncos e paredes...
A chuva é deliciosa!
Ainda mais daqui de dentro,
Falta só um chá.

sábado, 29 de abril de 2017

Seguir

O calor úmido,
A tarde escura,
A chuva,
A noite prematura,
Tudo isso despertam memórias,
Não sei se boas,
Não sei se ruins,
Nessa caminhada,
Vou seguindo,
Vou seguindo.

terça-feira, 25 de abril de 2017

Definir!

O tempo,
O tempo que me consome,
O tempo que me permite ser,
Ser o que penso,
Ser o que sou?
E o que exatamente sou? ou não sou?
Cansei de tentar me definir,
Percebi que quando me defino me perco,
Tarefa inútil
Apenas o tempo pode colaborar,
Pode nos dar uma margem,
A definição de si, única é a morte,
Mas quero que esta fique longe por muito tempo,
Nesta manhã, traçarei um plano,
Ou simplesmente deixarei a vida acontecer
A seu próprio sabor...
Que o tempo me consuma,
Mas dele tirarei o maior aprendizado,
Viver é a maior felicidade,
Mais nada.

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Infinito?

As flores desabrocham,
Ficam lindas
E depois murcham,
Assim surgem os frutos
Que crescem e amadurecem,
Para que uma coisa aconteça,
A outra muitas vezes
Tem que desaparecer,
Tudo tem um fim,
Nada é infinito.

quinta-feira, 6 de abril de 2017

Ainda bem

A gente adoece,
E melhora,
E chora
E rir,
A gente corre,
E pára
E reflete,
A gente é gente...
E aguarda sempre o melhor,
Ainda bem!

quarta-feira, 5 de abril de 2017

Seguir

As vezes a gente que acertar,
Mas não sabe por onde começar,
O primeiro passo é sempre o mais importante,
Então a gente vai tateando no escuro,
Vai tropicando, caindo e levantando,
E quando menos se espera,
Estamos lá.

terça-feira, 4 de abril de 2017

Manhã tropical

O sol e o calor do litoral,
Manhãs cálidas,
Sem brisa,
Cantam tantas aves,
E as árvores são tão belas,
Efêmera vida,
Doce poesia,
Porque amanhã,
Talvez durma na eternidade.

domingo, 2 de abril de 2017

Gripe

Domingo,
Manhã de chuva,
Nariz congestionado,
Dor no corpo,
Mal estar,
Nesse momento que lugar poderia ser perfeito?
Nenhum talvez.

segunda-feira, 27 de março de 2017

Acordar

Manhã,

Quando despertamos com a manhã,
Tantas coisas incríveis nos esperam para acontecer.
Sol ou chuva, luz ou brisa,
As aves cantando...
Quando nos preparamos acordamos dispostos não para a rotina,
Mas firmes para os novos propósitos
E devemos seguir sem medo,
Devemos ser como fotógrafos que veem na maior parte das vezes as coisas belas.

Poder fazer o que gostamos é divino...

quarta-feira, 15 de março de 2017

Passagem

Esse dia,
Essa manhã de chuva,
Essa tarde de sol sem eletricidade,
Calor...
Luz,
E o dia passou
E a noite chegou,
A lua ta vindo.
Quarta-feira se foi,
Amanhã é quinta,
Amém
A semana voou!
Amém

sábado, 11 de março de 2017

Aprendendo

Faz muito tempo que sai de casa, 16 anos para ser mais certo. Daqui a quatro terei a mesma idade de vida no conforto da casa de meus pais e o tempo no mundo.
Bom, então me pergunto o que aprendi com a vida? São tantas coisas e universos e relações...
Novos lugares, amigos, situações, desafios... E tudo isso aceitei viver ao sair de casa.
Bom vivi em vários lugares e durante esses períodos, às vezes longos, as vezes curtos construí relações de amizade e até mesmo amorosas. Eu entendi que é preciso sempre seguir em frente. É difícil, mas a distância nos separa de nossas amizades e nossos amores e mesmo assim temos que seguir em frente e nos novos lugares encontramos novas relações...

Mas bom, quando se está sozinho a gente tem tempo para pensar na vida.

Bom, ai a gente pensa no que deixou para trás e que poderia ter levado com a gente...

A inexperiência nos faz perder e ganhar coisas também.

Minha família embora esteja longe, no entanto estamos sempre próximos.

Onde quero chegar?

Não sei, pois são tantos caminhos a serem seguido... e a vida é tão breve para fazermos uma escolha única.

E as prioridades?


quinta-feira, 9 de março de 2017

Tempo

O tempo,
A madrugada estrelada,
O silêncio,
A luz amarela fria,
Vazio...
Tempo,
Tempo,
Tempo

domingo, 5 de março de 2017

Tardinha amiguinha

E a tarde quando cai,
Cantam os últimos cantos as aves,
Sanhaçus, bem-ti-vis, cambacicas e tangas...
E a noite vai aparecendo,
Enquanto o dia se desfazendo,
Calor, e a brisa...
Que tem pra janta?
Sozinho em casa,
A quem perguntar?
Deixa pra lá.

sexta-feira, 3 de março de 2017

Eternidade

Há uma sombra de eternidade nessa vida breve!
Sexta-feira, o departamento está vazio,
Saio de minha sala e vou ao laboratório pegar água,
Após encher a garrafa no bebedouro,
Saio da sala, e vejo que a sala de preparação está aberta,
Vou conferir quem é e vejo que é o Cezar!
Após observar para o recinto semi-vazio,
Vem a minha mente as pequenas comemorações de aniversário!
Na maior parte das vezes aguardamos a querida professora Rita nossa chefe
Que fazíamos questão de começar só após sua chegada...
Aqueles momentos, parecem que durariam pela eternidade,
Só existem agora na lembrança e no coração!
Agora percebo que foi como uma brisa,
Como o voo de um pássaro,
Como uma tarde!
Passou,

E Professora Rita dormiu.

quinta-feira, 2 de março de 2017

Chuvas de março

Vai chover?
E se for chover!
Que delícia...
Março chegou e com ele as chuvas...
Que venha matar a sede da mata!
Que venha me dar banho de chuva...
Porque assim seremos mais felizes e mais floridos...
O mais é bobagem.

quarta-feira, 1 de março de 2017

Coisas boas da vida

Coisas boas da vida...
Sou do interior,
E a proporção que fui vivendo,
Fui descobrindo as coisas boas da vida,
A leitura, carrego a muito tempo em minha vida,
O amor aos livros, revistas com seus textos bem escritos.
Uma grande paixão que descobri foi a música,
Antes da música meu grande amor era ao som dos pássaros...

Uma das coisas mais maravilhosas que aprendi na minha vida foi a Botânica!
Essa simetria, geometria e arquitetura floral que me permite reconhecer famílias, gêneros e espécies...
Interpretar a linguagem filogenética expressas na morfologia através de caracteres taxonômicos.
Ver uma planta e ao avaliar saber a que categoria pertence.
Ah! isso não tem preço...

Depois veio a fotografia, nossa que magia a gente poder retratar o mundo a nossa volta,
Poder revelar o que há de mais belo no mundo...

Depois veio a sala de aula!
Ensinar é algo realmente divino...

E algo que mais preso acima de tudo que é a liberdade...

E assim circunscrevo meu mundo.

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Busca de paz

Por vezes nos sentimos atordoados na vida.
Perdidos talvez, sabe lá.
Nesses momentos sentimos que o vento é quem está nos conduzindo.
O problema é que não sabemos onde iremos parar.
E sentimos um certo medo...
As incertezas do amanhã!
Ah! o amanhã.
Bom melhor fechar tudo e ler um livro.

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Recordações subjetivíssimas

Recordações!

A chuva fina,
Serração,
Névoa,
Dondrobium floridos,
Bergamota,
Uma descida,
Uma igreja,
Uma mata,
Lama,
Grande seringueira,
Barzinhos,
Casa São Jorge,
Pensamentos,
Divagações...
Por onde andaram perdidos meus pensamentos?

Hum...
Só Deus sabe.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Felicidade plena

É bom pensar,
Pensar coisas maravilhosas como compreender o mundo,
Algo além do alcance de nossa visão,
Poder compreender através da razão
Que apesar da opressão, somos livres
Para crer em dias melhores,
Que apesar dos dias que vivermos,
Dias melhores ou piores virão
E devemos está preparados, muito embora não estaremos,
O tempo quem nos ensina...
É bom pensar que a injustiça terá sempre um fim,
Mesmo que dure por gerações,

Qualquer império chega ao fim,
E que um dia todos estarão mortos,
E tudo pode mudar,

Hoje nada somos, mas amanhã seremos tudo (Marx)

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Verão

Sol e muito calor,
É verão,
Cantam cigarras,
Tarde sonolenta,
Preguiça,
Indisposição...
E o tempo,
Passa muito devagar,
Lentamente,
Mas passa eternamente,
Moldando a vida no continente.

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Chuva

Lindo e delicioso quando cai a chuva...
A chuva chovendo,
Soa um canto lindo,
Um doa-se, 
Enchendo o solo de vida,
Explosões de esporos germinando,
A vida se reproduzindo,
Presente dado dos céus...
Véus que se descortinam em água...
A vida em chuva.

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

O que resta

Acho que a solidão não é toda de ruim.
Ela nos faz pensar.
Bom nem sempre temos tempo para pensar,
Pois estamos focado em metas diversas.
Bem mas num início de noite escura,
Morando só...
Só resta pensar...

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Ego

Quem somos ou quem deixamos de ser?
Como nos tornamos quem somos?
Como nortear quem queremos ser?
Perguntas existenciais,
Perguntas essenciais...
Talvez nunca pensada...
Desnecessárias?
Pessoa,
Fernando Veríssimo...
Borges.
O tempo necessário para moldarmos quem somos,
E no final tudo apodrece,
Vira lama...
Fede...
Para que isso?
Pergunte ao seu ego.

Algo como a chuva

A tarde,
Quase fim do mês de janeiro,
Dar uma preguiça,
As tardes são longas,
Esperamos ainda a chuva,
Estamos sempre esperando por algo bom que nos traga conforto,
Depois da seca, que venha a chuva,
Que seja boa a tarde,
A noite, apesar de ser segunda,
A gente aprende que o tempo não para,
E que por isso devemos esperar o que pode haver de melhor,
Algo que nos traga alegria ainda que breve.
Como a chuva...

domingo, 15 de janeiro de 2017

Domingo

A noite,
Após pensar o dia inteiro,
Sobre tudo relacionado a vida,
A gente fecha algumas ideias.
Uma de minhas perguntas de hoje foi: O que mudaria na vida, se fosse possível.
Uma das conclusões foi que mudaria a forma de ver o mundo, tentaria aceitar mais a realidade.

É, a gente envelhece.
Envelhecer é doloroso,
É maravilhoso, pois a gente torna-se mais experiente,
Mas tudo muda, até nossa maneira de encarar as coisas.

E se foi mais um dia.

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Atoa

Algo me prende,
Que será isso?
Eu, você, nós...
Todos estão nas redes sociais...
Fazendo o que?
Quem trabalha duro, pouco tempo tem para procrastinar,
Merecemos algo melhor,
Ociosidade!
Nossa maldita vaidade,
Nossa pouca força de vontade.

Estamos cada vez mais longe de sabermos de que somos capazes,
Pois não avançamos uma passada...

Estamos ocupado com o nada.

Coragem

No rádio,
Na tv,
Na internet,
Desilusão,
Parece que somos órfãos,
Parece que não sabemos o que fazer,
Tudo é desilusão,
Amanhã?
Cadê a esperança,
Sairemos dessa mais fortes,
Certamente,
Dias melhores hão de vir.

Sofre sertão

O calor,
A aridez do nosso sertão,
De certo acho muito lindo,
Mas sei que é muito triste,
Ver tudo literalmente reduzido a cinzas,
Ver o sol arder e torrar o que resta de vida,
Garranchos intrincados, secos,
Cactos verde-desbotado,
Espinhos torrados,
Cinco anos de seca!
Até os idosos estão desiludidos,
Sem crença na chuva,
Nunca, nunca tinha visto,
Meu pai falar essas coisas...
Nossas fruteiras torradas,
Nenhum bicho além do cão, gato e louro,
A tarde se vai tão triste,
E a noite totalmente estrelada, parece lacrimejar...
Ah!!! Cadê a chuva do nosso sertão.

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Tempo

Dezembro,
Noites e dias secos,
Dias de sol intenso,
Noites estreladas e escuras,
Momento de reflexão.
Pensamos no tempo,
No presente,
No passado...
Pensamos na vida.
Em nossa vida.
Tudo passa!

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Incerto

Cada tempo que vivemos ocupa um espaço e tem seu roteiro e seus problemas.
As vezes vivemos a deriva, diga-se a maior parte das vezes.
As vezes nos apaixonamos e ficamos loucos.
As vezes a consciência chega a nós.
De qualquer forma viver é incerto.

sábado, 3 de dezembro de 2016

Ilusão

Às vezes a gente acorda sem disposição mesmo tendo dormido a noite toda.
A gente fica na cama e não quer levantar por nada e pensa na vida,
Pensamos naquilo que passou a gente fica contemplando quadros
E lugares onde vivemos, pessoas que conhecemos...
Tudo perca de tempo.
Perca de tempo,
Tudo ilusão.
Como se desvincular dessas imagens,
Dessas ilusões?
Creio que a alienação é fruto dessa ilusão.
Mais nada.

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Talvez seja universal

O tempo...

Uma de minhas principais loucura é o tempo.
Ano após ano penso no tempo que passa...
Se passa, nada posso fazer para freá-lo,
Então por que pensar no tempo?
Não saberia responder,
Mas vejo suas marcas impressas em mim,
Naqueles que amo, naqueles que conheço...
O tempo é realista.
Quando percebo isso, mesmo que seja recorrente,
Quando tomo consciência não me contento.
Mesmo que tenha certeza sobre o tempo.
Não consigo muito mudar meu jeito de encará-lo.
Amanhã, nada restará.
Ainda bem que há a esperança
Ou talvez a ilusão.

Ultimamente o tempo anda viscoso.
Ultimamente nada me traz contentamento,
As vezes há é sofrimento nessa consciência,
Mas sabe lá.
Talvez todo mundo seja assim.

terça-feira, 29 de novembro de 2016

Reminiscência da infância

Ah! os anos, o tempo vivido.
Pigarro seco.
A luz da manhã atravessando as frestas da porta.
A lenha ardendo em brasa cozendo o feijão,
ma última boca do fogão de lenha um alguidá de leite.
Vovó caminha a passos lentos, quase se arrasta para dar conta da manhã,
A pouca água trazida nas ancoretas são usadas para lavar os pratos da janta.
Vovó  levanta, passa a mão na cara,
Alisa o cavanhaque alvo, pega o óculos e põe no rosto.
Levanta com sacrifício e vai até a sala do meio onde a porta já está aberta.
Vovó traz o café preto e uma tapioca na manteiga.
Chegamos cedinho e mamãe ajuda vovó.
Para mim que era novo aquilo era uma prisão ociosa,
Não entendia de envelhecer,
Mas mamãe entendia tudo me levava junto.
Bom e a manhã passava.
Ouvia as conversas e não entendia nada ou não me interessava.
Via aquelas pessoas que ali apareciam,
E tudo parecia sem magia, eterno.
Não tinha consciência de nada, além daquilo que queria, ou imaginava ser o certo...
E conservava o silêncio, a falta do que falar que ainda levo quando não vejo sentido nas coisas.
A  manhã passava... e nem imaginava que a minha vida também passava.

Passagem

É verão,
Sol, calor, luz...
Não temos a lucidez do dia,
Não temos a lucidez da idade.
É nítido o envelhecimento do corpo,
Mas a alma.
O que acontece com a alma
Que vive angustiada?
Olho através da janela, o tempo.
E me perco em pensamento.
Se tenho tanta certeza,
Porque não me provoca a consciência?

Amanhã quem sabe,
Amanhã talvez...

E essa maldita acrasia.

Acho que sou árvore em verão,
perdendo folhas, ramos para poder florescer no inverno.

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Divina nitidez

Nitidez que há no mundo,
Elucida minha mente,
Tornai-me consciente,
Para não viver em sono profundo,
Para não atravessar a vida a toa,
Para que possa viver numa boa,
Como posso expandir o meu pensar?
Como posso encontrar meu caminho nesse labirinto que é o viver.
Nitidez divina.

domingo, 27 de novembro de 2016

Perca de tempo

Amanhã que virá?
Sei lá!
E hoje...
Bem, acho que posso decidir,
Mas apenas o agora e não depende muito de mim.
Acho que depende de meu estado.



Quantas vezes não consigo pensar do que fazer com minhas possibilidades
E só quando as perco é que fica nítido a quantidade de coisas que poderia fazer.

Ah... A felicidade está em fazer da vida mesmo simples uma obra de arte como dizia Nietzsche.

Mas...

Os anos se passam.

E ficamos felizes com pitadas de alegria,
Antes isso que a dor.

A existência é algo tão surpreendente e ao mesmo tempo complexo... Sabe lá.

Acho é perca de tempo pensar.

sábado, 26 de novembro de 2016

o certo

Existe uma definição para vida? E para viver?
Devem existir infinitas, bilhões.
Creio que essa definição é subjetiva.
Nós apreendemos o mundo de maneiras muito peculiares.
As vezes essa jornada se apresenta enrustida de loucura.
Muitas vezes tenho a mais pura certeza.
Amanhã nada mais será.

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Descanso

Calor,
Madrugada clara,
Luz...
Estiagem,
Árvores floridas,
Xanana florida,
E a gente fica agoniado
Com o clima, com o tempo,
Com o fim do ano,
Com um suposto fim...
Os fins parecem sempre trágicos.

E o que fazer para amenizar....
Descansar.

Sabe lá.

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Indefinição

Estamos a deriva?

Desde muito cedo aprendemos que a vida tem um fim.
Aprendemos na comodidade a acreditar que as coisas são certas ou erradas,
e tudo por observação ou experiência subjetiva... Muitas vezes damos muito peso a nossa maneira de entender o mundo.
Esse método pode ser errado não?
Dependendo do tempo e do lugar...
Como posso pensar correto vivendo num ambiente tão peculiar, de certo há algo errado em mim ou no mundo?

O que funciona hoje pode deixar de funcionar amanhã.

E por que não nos frustrarmos com a vida?

Não vivemos de certa maneira a deriva em busca de um porto,
Quando o encontraremos e será se o encontraremos...

No decurso e no alto de minha vida começo a me tornar cético.

E as filosofias, e as literaturas, e a vida não me deixam voltar a trás...

Não queria ser Schopeauriano, mas...

Embora tenha um pouco de Sarteanismo ou Marxismo.

Indefinição... indefinição.

terça-feira, 15 de novembro de 2016

Breve instante

Esperar pelo amanhã é uma ilusão,
Uma esperança um norte.
Viver sem sentido é uma prisão.
Gastamos tanto tempo tentando ser alguém que almejamos,
E quando somos, desiludimos...
Esperamos pelo amanhã...
Nos cansamos do cotidiano,
O interessante é que mesmo sabendo que tudo logo passará.
Ainda sim apostamos.
Cada um descobre o que melhor lhes serve.
A vida é essa eterna descoberta,
Muitas vezes as pessoas passam a vida
E não tem consciência da vida,
Passam...

Lembrança

O calor do verão me fez lembrar das cigarras de Campinas que neste período cantavam deste o fim da tarde até a noite. Nossa aquele calor, e aquele barulho tiravam a calma de um yoke.
O que amenizava mais era o canto do sabiá e o perfume da magnolia do vizinho da frente.

Bem está

O calor do verão,
Sol intenso,
Noites estreladas,
A sensação de solidão,
Metas, datas, prazos...
Um resfriado,
Filme, série...
Instagran, facebook,
E o tempo se arrasta.
Um poema,
Carmal,
Ruben Alves...

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Parcimonia

A gente não pensa no tempo,
Todavia ele está ai,
Mas existir é perceber o tempo que constitui a vida.
As vezes caímos em profundo niilismo.
E quando tarda o tempo em nossas vidas,
Quando passamos para a idade adulta,
É chegada a hora de pensar na realidade,
Não sabemos quanto tempo nos resta,
Nem percebemos isso, mas um dia chega...
E, qual a melhor maneira de se viver?
Tem gente que não pode se dar ao luxo,
Outros tem ociosidade em abundância...
Qual é a melhor medida para viver?

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Ontologia

Uma ideia,
Ser,
Consciência,
Tempo,
Espaço,
Não sabemos a direção,
Nem quando,
Nem como,
Mas as coisas podem acontecer a todo instante.

O vento sopra num sentido, mas as vezes aleatório,
O sol nasce sempre após a noite...
Que noções temos da vida e do viver?
Talvez quando aprendamos a consciência seja tarde,
Quem sabe essa não é a melhor maneira de viver.

Hoje a aurora estava tão linda.

Tudo foi perfeito...
Amanhã... Sabe lá.

sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Assim seja

E quanto a tarde cai,
Depois de uma linda manhã veio a tarde magnifica que também passou.

Nada nos pertence,
O tempo doce quimera,
E a gente,
Nós esperançosos,
As vezes loucos,
Ansiosos...
Assim somos.

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Persona

Tudo que nasce um dia morre.
Todo que é novo envelhece.
O tempo é o espaço entre esses dois pontos...
Não sabemos exatamente que ponto é o momento final, ainda bem.
Pensar sobre isso é perca de tempo ou não.
Nesse espaço ocupamos um espaço material,
Mas não estamos possivelmente fisicamente presos a nada,
Ou algo nos prende?
Nossa forma de viver... como aprendemos a ser.
Podemos ser diferentes?

terça-feira, 1 de novembro de 2016

Verão

Primavera?
Onde?
Aqui é verão...
O sol nasce as 5h e se põe as 17:30h.
Temos luz de dia as 4:30...
Viçosas cantam as aves,
Algumas árvores florescem,
Outras apenas enudecem...
Não temos primavera aqui,
Temos sim um largo e quente verão...
Aqui se passa mais um,
Não é mais um, mas sim o verão...
Onde hibernamos de indisposição e queremos... cama, cama, cama.

segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Fogo

Muita luz,
Aurora se faz antes das cinco,
O primeiro crepúsculo revela o mundo,
Feito brazeiro rubro que se faz luz,

E o tempo infinito dos diversos ontens,
Ontem velho empoeirado, com teias de aranha,
Ontem jovem de inverno, transparente...
O cheiro e o gosto do tempo...

Esse louco invento humano,

As coisas que parecem envelhecer
Ou não seria nossa percepção,

Agora  mesmo abre em minha memória o sertão
Sertão das vertentes que com suas terras macias
Animavam meu avó que dorme na eternidade por mais de 20 anos...

E essas memórias como brasa de angico que não se apaga ainda.

terça-feira, 25 de outubro de 2016

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Revelar

Uma foto,
Uma janela,
O que revela?
O mundo,
As formas...
Através do olhar,
O mundo é mais belo.

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Cenas

Cenas

Viver é um eterno aprender,
Sequer damos conta deste fato, mas a todos os instantes temos que resolver problemas,
Alguns tem urgência de serem resolvidos e outros se arrastam...
Quando vivemos aprendemos a compreender os fatos como fatos,
A entender as atitudes, a por complicação ou simplesmente descomplicar,
Ah...
Viver é uma arte?
Tem pessoas que nunca aprendem a lidar com a vida...
É preciso a idade para domar ou a perda para ensinar.

Por mais reflexões que façamos,
Nem tudo terá uma explicação suficiente.

terça-feira, 18 de outubro de 2016

Questão

O tempo,

Ah, o tempo...

Perdido no espaço,

Sem tempo!

O que é um sem o outro?

O infinito?

Verão

O verão chegou muito sol e muito calor.
A mata da floresta perde as folhas suavemente,
O dia se arrasta lerdo e quente,
Nasce mais cedo, mas logo se despede
E as noites escuras e estreladas são mais belas,
Árvores florescem coloridas,
A serrapilheira rufa cobre o chão,
Chegou, sim chegou o verão.

domingo, 16 de outubro de 2016

O Humano

Ser humano é ser vulnerável,
Incerto, imperfeito, uma incógnita.
É ter memórias...
Somos a soma do que vivemos.

Busca

Passa,
Agora, eterno devir,
Vêm a ser e deixa de ser...
A existência é um fato.
Em que mundo habito?
O que é a alteridade?
Sei lá...
Passo o dia tentando preenchê-lo com poesia,
Música, filme...
Fugindo de memórias.

E a todo momento tentando descobrir
O c  a   m   i     n    h  o    da felicidade.

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

O que?

A gente tem o costume de pensar.
E quando se pensa, bem a gente costuma tentar entender o mundo.
Parece que não temos muito o costume de pensar.
Simplesmente fazemos tudo automaticamente.
Tantos fatos acontecem em um dia que muitas vezes não paramos para processá-los.
O que aconteceu hoje na sua vida de bom ou de ruim?
O que aconteceu para que aches, perfeito,
O que?

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Ter fé

Houve um tempo, por sinal, maravilhoso que vovó foi morar com a gente.
Aquele tempo pude desfrutar e conhecer nossa matriarca. Vovó se chamava Maria Severina, mas era conhecida pelo apelido de Sinhá de Zé de Neve.
Vovó foi uma das pessoas mais fortes psicologicamente que conheci.
Naquele tempo, acordava demorava a levantar por causa do corpo cansado, mas um momento decidia levantar. Colocava os óculos e saia se arrastando até a cozinha onde tomava café e parte na realidade, geralmente era verão, e vinha lá pra casa porque era mais ameno. A gente morava na serra.
Ai, depois de tomar o café ia para a sala ver televisão.
Vovó era uma pessoa muito católica e sempre via a missa do canal vida de Aparecida.
Rezava e até aprendia as orações.
Perguntava muito e assim aprendi muita coisa sobre nós...
Hoje vovó descansa, mas não esqueço dela jamais...
Seus gestos, suas orações em silêncio... Que bonito é ter fé. 

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Ebulição

Acho que nunca escreverei as palavras certas
para expressar meus sentimentos,
Meio que milho de pipoca estourando...

sábado, 8 de outubro de 2016

Segunda via

Noite que chega,
Dia que parte,
Ocaso, acaso de tudo...
Ontem, hoje... amanhã, talvez.
Coragem,
Força,
Ânimo,
As estrelas, a brisa...
A noite de sábado,

Já não é tão intenso ouvir Capital Inicial,

Espere, to indo cuidar do bebê...

Seria.

risos

sexta-feira, 7 de outubro de 2016

Algo?

A gente aprende com a experiência a observar a vida,
A gente toma consciência do mundo,
Pena que muitas vezes, quase sempre só tomamos consciência das coisas muito tempo depois.
E fica aquela sentimento de ah se soubesse,
Ah, se o tempo voltasse...

Com o tempo a gente que a maior parte de nossas complicações são coisas de nossas mentes.

Que os problemas na maior das vezes nem existiam...
Nos antecipamos por ansiedade.

Disso tudo fica algo?

Instante

Instante,
Aquele instante seu,
Quando você decide vivê-lo em plenitude.
Um banho frio ou quente,
Ou fica atoa contemplando o nada,
As flores, o céu, a lua...

O que dizer do instante?
Tem que gente que gosta de música,
De leitura, de pescar, de viajar, de dançar...

A gente gosta de existir,
Com saúde então...

E o bom de viver é que a gente pode num instante descobrir algo maravilhoso que não conhecia

como agora mesmo, acabei de descobrir Sarah Vaughan. Que delicia de voz.

Bom gosto de música e você?

Tudo na vida ocorre num instante...

Como administra o seu?