quarta-feira, 24 de abril de 2013

Aquilo que nos foge

Com o tempo os adjetivos se tornam inexpressivos.
Como você está linda amor.
Soa agradável, mas de fato o elogiado tem que se sentir o elogio com profundidade.
E com o tempo o que falamos já não é tão especial.
Compramos presentes, apimentamos a relação...
E aos poucos os adjetivos vão se tornando parcos.
E com o tempo nossa realidade nos é tomada.
A realidade do outro é melhor.
O tratamento do outro é melhor.
As emoções e viagens alheias são mais interessantes.
E não se sabe o que é realidade ou que é ficção...
Quando se pode saber mais sobre a relação alheia, nossa relação se torna tão banal.
E tomamos a realidade alheia como uma história fictícia e queremos para nós.
E sofremos por que tudo não passa de um ideal.
E com o tempo percebemos as rugas do outro, as gordurinhas, os pequenos defeitos passam a parecer um elefante...
E na novela aquele cara é tão forte e corajoso. Meu amor é uma égua de frouxo...
Nada importa.
Com o tempo o viço das cores vai se diluindo no tempo...
E as situações e vitórias individuais afrouxa a relação...
Mas onde chegar com esse texto.
Que a realidade nos foge as mãos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário