domingo, 16 de fevereiro de 2014

À tarde!

A tarde cai serena e iluminada.
Esta tarde que é benção,
Mas que por ocasiões da vida
É o fim para outros...
Quantos viram o dia nascer,
Mas não verão a noite escurecer.

Sol que se desloca e se encanta no poente.
Este sol que vai minguando a cada instante que se vai totalmente, completamente.
Essa tarde, esse sol são iguais àquela tarde que Jesus entrou para a eternidade.
É a mesma luz e semelhante tarde que iluminou o mundo para Borges,
Esta tarde essa luz é a mesma luz que encantou Gogh.
É a mesma tarde que Beethoven teve a epifania que lhes permitiu concluir uma sinfonia.
Certamente é a semelhante a tarde que Eistein pensou e solucionou a teoria da relatividade.
O tempo é uma intuição interna,
O espaço uma intuição externa,
Visto isso, se todos somos humanos!
Se todos estamos vivos. Por que nos angustiamos nas tardes de domingo?
As vezes temos motivos e as vezes temos indisposição.
Essa luz desta tarde que tantas belezas ilumina
É a mesma luz que vigia as tragédias que amanhã
Serão notícias nos jornais.
Sol esse ser maior sob sua luz nada se oculta,
Que a todos compartilha sua luz, sua energia...
Eis o ser maior, eis o ser superior.
Vejamos o mundo não nos comparemos com os outros, mas com o melhor que podemos fazer.
Tenhamos cuidado com as ilusões do mundo.
Posto que podemos admirar o que está a nossa volta,
O sensível e a partir dai possamos entender tantas questões.
A luz do sol da tarde de domingo,
Que se sinta feliz por ver e por viver...
Porque uma tarde passada não volta jamais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário