domingo, 24 de março de 2013

O telefonema

Sempre fui muito matuto e para nós matutos algumas coisas marcam em nossas vidas.
Ainda me lembro a primeira vez que usei um telefone. Para os dias de hoje parece ser um absurdo, mas eu vivi e me emocionei com isso. Uma ligação não era coisa banal, as cartas sim eram, comuns e banais.
Lembo que já estava no ensino médio, sétimo ano de hoje,  quando pela primeira vez falei ao telefone.
Ano de 1993 quando cursavas sétima série. 
Minha cidade natal, Serrinha dos Pintos, que a pouco tempo havia se emancipado da grande Martins, já não era apenas um distrito. Ali tínhamos apenas um poso telefônico onde todas as pessoas recebia ligações de seus parentes distantes.
No nosso caso, meu irmão mais velho que morava em São Paulo. Nossa família se correspondia através de cartas com ele. Então, quando o dinheiro de meu irmão sobrava pouco, ligava pra mamãe ou para o papai nos fins de semana, quando o posto telefônico, TELERN, estava cheio.
Havia ali um fuzué, mas todos se entendiam e falavam com seus filhos, maridos ou irmãos. 
Era assim ele ligava na semana e deixava o recado com a atendente, marcando o horário que desejava ligar para a mamãe, quase sempre era Lenísia nossa vizinha que trazia o recado. Então a mamãe que ficava muito feliz e no dia marcado lá ia ela, a pé ou de carona, nem tínhamos moto ainda. Era muito bom ver mamãe satisfeita, nós todos ficávamos felizes. 
Certo dia, era tarde, estava em aula quando alguém apareceu na janela, Corrinha de Tonheca, e falou que tinha alguém que queria falar comigo ao telefone. Senti um frio repentino na  barriga, e minhas pernas ficaram meio bambas. Nunca tinha falado ao telefone. Morria de medo e vergonha de falar no tal objeto. Então sai andando e depois corri. Chegando lá, peguei no telefone, daqueles antigos de disco, pus no ouvido: "Alô."
Era meu irmão, foi algo maravilhoso, fazia tanto tempo que não ouvia sua voz, acho que foi recíproco. Conversamos um pouco, ele falou que queria falar com mamãe no fim de semana. Depois voltei para a sala feliz. Nunca mais tive medo do telefone.
Coisas simples que marcaram minha vida no interior.

Um comentário: