terça-feira, 26 de março de 2013

O brejo

A noite caiu enluarada,
no brejo grilos cantam e namoram.
O brejo é um lugar esquisito,
mas tem cada coisa bela,
quem não conhece as talaumas...
Enfim, os grilos cantavam,
faziam uma algazarra
na noite de luar...
Pirilampos piscam-piscam sem parar.
Mas sempre tem o sapo velho,
verrucoso e chato
que vive ali a muito tempo
e conhece muito daquele lugar
só reclama...
Reclama da luz da lua,
do canto dos grilos,
do frio do brejo...
Mas não sai de lá
ou porque não sabe onde ir
ou porque tem voz para falar
bicho para ouvir...
Cada um fala o que quer,
cada um ouve o que lhe parece melhor,
Se ofende quem a carapuça cai melhor.
O sapo, os grilos, o luar e o brejo
existem, até que um sapo
de duas pernas chegue lá
e devaste tudo em nome
de sua espécie...
Raça de hipócritas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário