quinta-feira, 15 de junho de 2017

Casa da vovó

Das lembranças da infância agora lembrei casa de vô Chiquinha. Era uma casa velha e grande, de cor branca incrustada no pé de um alto de barreiras de barro vermelho onde se podia ver as marcas da erosão feita pela água.
E quando ia lá era sempre acompanhado de mamãe ou papai. A gente andava muito a pé o que é bom porque a gente ver melhor o mundo, as plantas e as coisas e as pessoas.
Sempre escolhíamos os finais de semana.
Chegávamos lá e todos estavam na cozinha conversando, tomando café ou só fazendo companhia e maior parte das vezes a sala ficava vazia.
Naquela conversa que pouco entendia, me deixava entediado e só o que eu percebiam eram os objetos, as coisas, os sons.
A gente tem mania de comparar sempre. E quando comparava sempre via que na casa de vovó havia menos objetos que minha casa.
Mas na casa de vovó tinha um golin numa gaiola e para mim era interessante de ver aquele pássaro que pouco via em nosso povoado.
Ficava ali ouvindo o feijão sacolejar na panela até cozinhar, até a manhã passar.
E quando a gente almoçava, esperava o sol esfriar para voltar para casa. Achava que aquilo nunca acabaria.

Nenhum comentário:

Postar um comentário