segunda-feira, 27 de abril de 2015

Passageiro

Já não posso olhar nos olhos
Aquele olhar que tanto pude contemplar,
Já não posso ver aquele doce olhar,
Não posso olhar através da iris aquele olhar a me olhar,
Quem sabe talvez a me contemplar.
Não eu não tenho mais aquele olhar,
Talvez nunca o tive!
Era só magia, era só energia...
Eu nunca contemplei um olhar,
Nem mesmo o meu olhar,
Queria ver um olhar ideal,
E por não contemplar,
Hoje contemplo apenas o tempo.
Tudo passa,
Tudo passou,
Resta caminhar,
Caminhar com o meu eu...
Resta contemplar o meu olhar.
Tenho minhas metas
Além do amor,
Muito além da dor.
Tenho o momento presente,
Esse pleno devir,
Que me distancia a cada momento do que fui,
E o que sou?
Energia, um passageiro em deslocamento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário