quinta-feira, 5 de abril de 2012

Procrestinar

Hoje, quinta-feira de páscoa, a manhã está tão agradável. Abri a janela e meu jardim está tão viçoso. Choveu na tarde de antes de ontem. Como aparei a água da chuva, aproveitei para regar as plantas. Depois que abri a janela do meu quarto mais cedo, meu quarto está mais arejado. Vez por outra aparece um sanhaço para comer a banana que sempre ponho sobre o muro à sombra da acácia. Agora mesmo tinha um casal. Enquanto tudo isso vai acontecendo ouço a rádio RNE que toca boas músicas clássicas. Agora mesmo, sinto falta de minha família reunida em Serrinha. Em manhãs como essa, costumávamos tomar café todos juntos, ver a missa. Ficávamos todos em casa. Meu pai não ia para a roça nem as meninas saiam de casa. Era muito bom. No almoço não comíamos carne vermelha, comíamos peixe. A noite tinha uma ceia. Na sexta jejuávamos, não comíamos nada. até o almoço. E hoje estou eu aqui só. Estudando para concurso. Quanto sacrifício para nada.  Onde estão os meus princípios, acho que perdi todos nessa ânsia pela busca do saber ou do ser. Não sabia que com o passar do tempo tudo se estreitaria tanto. O tempo é sempre muito pouco para tudo que tenho e quero fazer, às vezes só procrastino e mais nada...
Hoje é véspera de um dia santo e sigo feito um bruto na busca pelo capital. Talvez tenha tudo ou nada.
Ao menos tenho meu quarto e jardim para me trazer a realidade do nada, da vida e esquecer de tudo isso e mais nada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário