sexta-feira, 3 de junho de 2011

Lago Léman

A noite aqui na Suíça, em Genebra, demora a cair.
Fui ao mercado caminhando, depois do expediente, onde senti
um certo receio, mas logo perdi; depois que fiz as compras,
voltei caminhando, contemplando as fachadas,
então senti o peso da bolsa, parei, sentei e abri
um energético, de certo, me deu muita energia, continuei
a caminhar, achando que logo passaria,
então quando estava próximo vi um parque que nem
achei que seria grande, mas aquela era a pontinha do
iceberg, então fui caminhando, e como quem
ler um livro muito bom e vai descobrindo partes
melhores, assim fui eu descobrindo as paisagens,
fui caminhando, mais e mais, logo dei de cara
com um chafariz, com esquilos bebendo água,
mas na frente uma roda de garotos e garotas
num piquenique, tocando música, nem me
perceberam, me ignoraram, então vi ali
na minha frente o lago Léman, enorme,
fui caminhando e descobrindo mais e mais
paisagens, cada uma mais linda que a outra.
Queria muito que Ana, minha namorada,
estivesse aqui comigo. Então segui caminhando
e fotografando,  mais fotografando, passei em frente
a lindas casas, um restaurante, bem  na frente
sentei num banco verde, onde comi um
delicioso biscoito e um pedaço de chocolate,
enquanto isso ouvia um grupo de chineses falar,
não entendia nada, mas a conversa tava muito boa,
pois eles riam sem parar, riam como gente
matuta. Comi, o suficiente pra me senti bem,
então sai caminhando mais um pouco,
depois voltei, fui para o lado oposto,
quando voltava vi uma linda estátua
de mármore, era uma mulher
semi nua, segurando um menino
com a parte de baixo em forma de bode,
acho que era baco, pois tinha um cacho de
uvas e oferecia a linda moça,
de seios rijos, pernas torneadas
e pés perfeitos. Eles se olhavam.
Que ela pensava, que ele queria?
Segui e mais a frente vi uma linda casa
em frente tinha uma linda
escultura datada de 1885,
um garoto tocando flauta.
Segui e fui indo vi uma escultura
em metal, de uma mulher,  mais na frente um
homem e um cavalo.
E fui indo,
vi muita gente árabe.
Então foi assim que passou toda o fim de tarde
a noite caiu só as 22:30.
Voltei pra casa feliz...
Estou muito cansado.


O lago Léman
tem sua água doce
tão calma,
tem suas bordas tão colorida
de árvores, de flores
e de gente. Parte
de sua borda pertence
a um parque e outra parte
aos luxuosos prédios
de delicada e suntuosa arquitetura.
Em sua borda
onde há um largo calçadão
podemos contemplar,
manções, uma enorme montanha,
prédios e pessoas, que por sinal
são lindas pessoas,
usando cores mais diversas.
No calçadão do Léman
podemos ouvir pessoas
falando ingês, francês,
alemão, árabe
e tudo quanto for língua,
basta que para isso saiba
reconhecer.
Usufrui da brisa
do lago Léman
crianças, jovens,
adultos e idosos,
a pé ou de bicicleta,
pessoas coloridas,
pessoas sem cor,
pessoas felizes,
pessoas tétricas,
brancos e negros,
indianos, árabes
e um brasileiro,
Que delícia
poder caminhar aqui,
respirar
o ar do Léman.
Viver aqui  deve
ser o paraíso,
mas ainda bem
que moro no Brasil,
senão minha vida passaria
muito rápido,
mas foi maravilhoso,
caminhar,
sentir os cheiros
e ouvir o som
multicultural
do lago Léman.

Nenhum comentário:

Postar um comentário