quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Definição

A sombra da noite,
Feixes de luz distante,
Som macio do piano.
Reflexivo, penso o que conheço, reconheço no meu entorno?
Alguns padrões,
Um breve entendimento da realidade,
Percepções, sensações entremeados de sentimentos.
Emoções.
Por que sensação de fome?
Por que ansiedade?
Por que sou quem eu sou?

Como pode algo mudar?
Será que é a metafísica no sentido Pessoa?
A solidão parece ser uma dádiva
Me leva a monologar intensamente.
A me perder num universos de seres,
Como roupas num guarda roupa que visto para usar,
Para me expor ao outro.
Sob a roupa um corpo num apto a vestir da pior a melhor roupa.
Na eterna busca de uma definição inexistente.
Haveremos de encontrá-la?

Isso tudo me leva a pensar quando a sombra da noite revela meu ser perante a solidão.
E o mundo me é revelado sob reflexão.

Reflexão

A tarde que vai,
A noite que chega,
A luz que dissolve,
A sombra que preenche,
Ruindo sem formas,
Morcegos se ecolocalizam,
Um pássaro pia longe...
E o silêncio se faz.

A madrugada de hoje estava limpa,
Céu estrelado,
Os galos cantando,
A luz revelando a natureza,
As formas, as cores....

As possibilidades são maiores ao amanhecer.

Dia consumido,
Enfim quando se chega em casa,
É sempre bom haver reflexão,

A natureza recatada,
Se embrenhando na noite pelo ocaso.

Haverá um amanhã para mim?

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Elo

O tempo,
As memórias,
O ser,
Os fatos,
Os acontecimentos...
Felicidade e tristeza.
Ir e vir.
Ser e não ser.

Tudo se enlaça,
Se amarra,

Nessa teia que é a vida.

Nossas razões e principalmente nossas emoções
Que aprendemos que há e a domar...
Quando aprendemos sobre a maestria da vida.

Já estamos na metade da vida.
Não tem como recuar,
É necessário seguir.


Ave Maria

Antes que seja dia, ainda quando a noite esfria, cores de brasa se acende no nascente. O primeiro crepúsculo que anuncia a chegada de Apolo. Estou de pé, saio para a rua alumiada por filamentos incandescentes, sub as árvores dorme uma sombra que oculta o solo, essa sombra fria e intocável é essência da árvore que se fez e durará até que dure essa vida. Caminhando reto sobre os paralelepípedos de granito angulado pela força humana seguindo até o asfalto essa pasta sólida cor da noite, as vezes quando não está nublado o espelho da lua me encanta. Sigo pensando na vida. Sempre a solidão me lembra quanto a vida é efêmera. Às vezes ouço alguma música, mas quase sempre ouço palestras. No sombrio da madrugada seguindo com a madrugada me acompanha a manhã.
Vida... Vida.
E durante o dia o contato com as pessoas, as aulas, as situações e ocasiões me cansam.
E quando cai a tarde e o segundo crepúsculo faz a natureza se calar, a luz dourada se afastar, finalmente é noite novamente. Então os morcegos saem a forragear.
No ocaso tudo é silêncio.
Até minha alma se cala.
Tenho paz.
Nada de pensar na vida.
Seis hora... toca uma ave Maria. Não ouço a mesma tocada por Schubert...
Mas a de Gonzaga...
Neste momento sou humano...
Se une em mim o passado, na lembrança dos meus entes idos,
O presente no momento que ouço,
E o futuro quando meu peito se enche de esperança.
Esperança que a vida continuará em sua tristeza e finitude a fazer o homem pensar,
Esperança em sua esperança e alegria na qual a vida continuará
A surpreender...
A vida é eterna e cheia de significados.
Cabe encontrar o seu.

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Noite

É noite, depois das chuvas o céu está mais limpo e as estrelas rutilam aprofundando a noite e aproximando o dia. Enquanto a maior parte de nós dorme, enquanto isso, há gente boa e ruim acordada, nas macas, nas cadeias, nas igrejas, nas academias, nas ruas, nos centros.
Pensando na vida... não encontro nada além de recordações. Tudo muito subjetivo.
E a noite continua linda, enquanto durmo profundamente me preparando para o amanhã.

terça-feira, 8 de agosto de 2017

Poesia do bem amor

Pela manhã quando ti vejo,
Ai que vontade de te roubar um beijo,
É como raio de luz primeiro e manhã toda orvalhada,
Que refrata nas gotas do sereno,
Essa luz dourada do sol nascendo,
E enche tudo de paz e alegria
Feito pássaro cantando na pradaria,
Um canto alto, belo e estridente,
Que me deixa todo contente,
Só em poder te contemplar,
feito noite de luar,
Poder assim estar,
Presente, pelo menos em mente.
A descobrir como é amar.

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

Parabéns irmão!


Na vida, algumas pessoas têm mais sorte que as outras. Algumas nascem órfãos, enquanto outros além de terem seus pais, tem ainda um irmão mais velho. Que, de certo são braços, faróis, suportes e porque não anjos? Meu querido irmão, Rosembergue, desde sempre foi tudo isso para todos nós sob o teto de papai e mamãe. Desde muito cedo quando começou a trabalhar, aprendeu o valor e a importância das coisas, do amor, do respeito e da generosidade com que se deu a família. Mal se tornou de maior, se pôs adulto, e foi embora para terras distantes, seguindo a sina de um retirante. Com 19 anos chega a São Paulo, tinha apenas 10 anos ainda, e desde então nosso contato se dava através de carta, de telefonemas semanais. Foi dele que recebi a primeira ligação telefônica na TELERN da serrinha. Nos primeiros anos de vida só no novo lugar, distante da família, dos amigos e até mesmo de tudo que conhecia teve que se adaptar à nova vida que se resumiu a trabalho, intermitentes. Para si, mas principalmente para ajudar em casa. De certo foi o nosso grande pilar nos grandes anos de seca. Uma grande doação de vida pelos outros. Não tem como não reconhecermos. Até hoje, desconheço quem não goste e não o admire. Esse grande homem que hoje completa mais um ano. Dos seus 47 anos, mais da metade se sua vida se deu em terras distantes. Parabéns meu querido irmão. Saiba que é em sua simplicidade um dos meus maiores exemplos de vida, muito embora as palavras entre nós seja muito poucas, mas nosso amor está nos gestos, no carinho, no respeito e na cumplicidade sanguínea.

Um forte abraço e Parabéns!