segunda-feira, 3 de julho de 2017

Efêmera

A neblina que cai junto com a manhã.
Lembranças fixas na tela da mente.
Lembranças de um tempo acabado,
E por que ainda existe?
Porque existo!
Quão profundo subjetivo ser que somos.
Nascemos, vivemos e por fim um ponto final na história,
Entre bilhões de histórias
Como as estrelas na galaxia,
Como areia na praia?
Fixo?
Quem sabe?
Um sopro pode mudar tudo,
Um último suspiro,
A roupa que envolve a carne fria,
O perfume colorido dos arranjos,
Coisas efêmeras...
Pensar a vida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário