segunda-feira, 30 de maio de 2016

A chuva na mata atlântica


Que o nordestino gosta de chuva, isto não é nenhuma surpresa, mas há aqueles que gostam mais que outros. Refiro-me ao sertanejo. Como sertanejo tenho propriedade para falar. Gostamos muito de ver a chuva, sentir, ouvir e até mesmo cheirar a chuva. A chuva é nossa esperança de dias melhores. Todavia há sertanejos que não conhecem a mata atlântica, nunca chegaram a ir a capital de seu estado, Natal, João Pessoa, Recife entre outras que chove muito. Lembro que ainda muito novinho quando acabara de chegar na UFRN para cursar Ciências Biológicas ficava encantado com tanta chuva, por vezes aborrecido pelos vário banho que tomei só por não ter um guarda-chuva.
Durou muito a conhecer a chuva na mata. Só quando fui a Pipa, a trabalho, onde dormi numa casinha no meio da mata no Santuário Ecológico, a casa fedia a mofo. Todavia quando acordei ouvi a chuva chovendo, suave intermitente então fui para uma área e fiquei ali sentindo a chuva. A chuva como numa sinfonia usava as folhas das árvores para tocar seu canto. Desfiava seus pingos por toda a manhã. Desprestenciosamente chovia. E vivia pela primeira vez a chuva chovendo na mata.
De lá pra cá foi muito tempo... Vi a chuva chover na mata de São Paulo e em muitos lugares, chuva de verão, chuva de inverno...
Aqui da janela vejo a mata sendo tocada pela mata e dou graça por conhecer a chuva na mata atlântica.

Nenhum comentário:

Postar um comentário