quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Indagações aurorianas

Não vemos as curvas da noite,
Não vemos o delineamento do mundo,
A noite é escura, misteriosa por natureza,
A noite é possível ver a abóboda celeste com maior nitidez
Que paradoxo não?
A noite tudo torna-se próximo,
Sem o brilho das estrelas o que poderia está distante à noite?
A dama-da-noite se veste de branco e se perfuma com tanta elegância
E a noite quando se perfuma que podemos ver?
Indagações, indagações que me vêem a mente..
Por que tu acendestes em uma noite tão escura?
Como um cometa que acende e depois some.
Por que apareceu só para sumir?
Deixastes dúvidas em meu ser.
Como uma luz de fogo de artifício iluminou-se a apagou-se.
Gostaria de saber o porquê?
Se a noite tem uma orientação,
Fez a escolha. Por que desta luz?
E sem respostas continuo a observar a abóboda celeste.
Para o infinito existirá,
Podes vir ou partir...
Amanhã tudo escuridão.

Um comentário:

  1. É de manhã... Estou recém-chegada de uma noite, sem sonhos, sem pesadelos... Enfim,é de manhã e retorno à noite! Amanhã, tudo escuridão!!!! Lindo poema! Parabéns!

    ResponderExcluir