quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Desconhecida razão

Desvendar o mundo subjetivo.
Uma flor colorida, rosa vermelha? É perfumada?
A cada olhar há um sentido.
A cada sentir uma expressão
De dor ou de alegria ou de tristeza...
Cada ser é impar, cada um com suas impressões.
E será se sei o que é melhor para mim?
Não tenho, não devo ter dúvidas,
Tenho que fazer da minha vida uma obra de arte
Já dizia o gênio de largo bigode.
E como devemos fazê-lo.
Pobre do solitário Borges
Que tanto buscou um amor
E só a longa idade o presenteou.
Corações acesos, sedentos por amores...
Quem descobrirá a felicidade no amor?
Quem sobreviverá a essa dor.

Ah, o amor! o desejo!
Não o amor não provoca dor...
Pretextos bestas para a vida,
Bobagens que passa...
E o que sobrará em nós.
Só sofrimento.
Creio que não só ilusão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário