quarta-feira, 8 de outubro de 2014

No fim da tarde

Estava caminhando devagar para casa,
Como o sol lentamente partia pelo poente.
Caminhava firme e observava,
As rochas ordenadamente formando calçamento,
As paredes caiadas ou pintadas
E as árvores, majestosas e idosas  e experientes,
Árvores que viveram e suportaram longos e cálidos verões.
Castanholas e jambeiros,
observava ainda as ervas,
As folhas juntadas pelo vento.

Ah, estou envelhecendo.
Envelhecemos sem perceber.

Como o dia só percebemos que acabou,
Porque no segundo crepúsculo o sol lentamente vai desaparecendo.

A gente vai aprendendo a viver,
Vai aprendendo a ser pacientes.

Tanta coisa coisa eu sentia enquanto caminhava,
Não consigo nem expressar,

Sinto que Borges se expressou por mim na escrita,
Mozart na música,
Gogh na pintura,
Kant na filosofia,
Não menosprezo os demais,
Apenas desconheço,
A beleza está na soma do todo,
Mas algumas estrelas brilham mais.

Ao final da rua olhei para trás,
A rua continuava vazia,
Meu horizonte sempre a se expandir,
Deus meu, mostra-me por onde devo seguir,
O existencialismo é muito realista,
Me amedronta,
Mesmo assim a vida continua.

Nenhum comentário:

Postar um comentário