terça-feira, 30 de setembro de 2014

Manhã

De repente somos,
De repente acordamos,
Ficamos deitados aquecidos com o próprio calor,
Ouvindo o corruchiar dos pardais,
O canto de cambacicas,
E pensamos em toda a  vida,
E pensamos no que faremos,
A razão nos faz levantar,
Mas a preguiça, ai! Essa nos puxa, nos abraça, nos afaga!
A manhã desabrocha como uma flor,
Os crisos raios do sol,
Suavemente vai subindo,
Se revelando vivo, pleno e dominante,
Então, nos levantamos e tomamos um café,
E partimos para a vida,
Porque precisamos de tudo isso,
Amanhã é outro dia,
O que nos importa é o agora,
Bom dia, 

Nenhum comentário:

Postar um comentário