domingo, 6 de julho de 2014

Ser sensual

Arrumar a casa,
A tanto desarrumada,
Sentir a vida em cada parte e curtos momentos,
Sentir a textura do chão
Com a palma do pé,
Porosa a terra,
Macio o chão arenoso
Onde nascem ervas e árvores.
Vemos e conhecemos as ervas
Que crescem ornamentadas e perfumadas,
Suas flores tênues, seus tricomas e suaves folhas,
Raízes aromatizadas.
Poder sentir o aroma desfiado do incenso,
E ver o sólido tornar-se fumaça e cinzas.
Poder sentir a brisa que vem sabe lá de onde.
Tragar do cálido chá,
Sentir o gosto do líquido caliente
Sobre as papilas escorrendo pela boca
Seguindo a laringe e invadido o profundo de nosso ser.

Ouvir o outro, o externo o que expressa o mundo...

Rever aquilo que já foi visto,
Ressignificar a vida,
Reencontrar o caminho,
Numa cantiga, num poema,
Na vida branda.
O amanhã desconhecido que muitas vezes nos assusta,
O ontem que se distancia tenuemente
E saber que a vida passa independente de tudo...

É necessário aprender a sentir o gosto da vida,
A textura do sono,
Coisas do mundo.


Nenhum comentário:

Postar um comentário