domingo, 12 de janeiro de 2014

Aquilo que me toma

Quatro paredes brancas,
Janelas claras,
O vazio da sala,
Um corpo vivo sobre o chão,
A brisa que passa,
Na mente inquietação,
Apatia ao tédio,
Apatia a luz,
Apatia ao dia,
Solidão...
Tédio,
Tantas coisas parecem desprovidas de sentido,
O som desconexo das aves,
A luz quente do sol...
Tantas coisas criativas a serem pensadas
Ou apenas assimilada,
Mas absorvo o brando das paredes,
A luz quente do sol,
E o que sou e o que me faço?
Sou tédio,
Sou nada, quando me disponho
A não fazer nada,
Poderia ser pior,
Mas poderia ser melhor,
E o que me falta?
E o que me toma?
Desprezo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário