sábado, 26 de outubro de 2013

Lúcia

A casa amarela,
A lojinha,
A sobra fresca da área,
A roseira, as flores e os anões artesanais,
Um cavalinho de barro...
Rubinho cachorro, quando você chegou?
Olha Jacinto quem está aqui.
Ah! Cabra besta, Willianinha venha falar com Rubinho.
Um abraço forte, bem apertado...
Beijos e afagos amigos.
A risada...
E como anda o coração?
Deixa de ser safado...
Água... Sente ai.
Gente sobe e desce.
Os dias de trabalhos juntos.
Curta manhã para tanto assunto,
Do mundo, de Serrinha...
Olho o jardim com um contentamento
De quem sente afagado pelo estética viva,
O crescer paciente das flores.
Balanço-me e conto como estou
E quero saber como está.
Volte mais, não vá embora sem vir aqui CACHORRO.

Bom, não viverei mais estas senas,
Minha doce amiga partiu,
Concluiu sua caminhada,
De certo agora descansa num campo
Flores, num campo de rosa
Sob árvores de Tílias,
Ouvindo hinos de amor,
Contemplando o senhor.
Deixa saudades,
Está viva em nossa memória
Até que nós sejamos só memória.
Adeus linda flor, doce amiga.
Lúcia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário