sexta-feira, 5 de julho de 2013

O silêncio reflexivo

Que maravilhosa manhã de sexta-feira,
Que silêncio maravilhoso.
Parece a sala está surda.
Através da janela ouço o som intermitente das aves
maritacas, graúnas, joãos-de-barro,
doidela, canários, papa-cebos, bem-ti-vis,
o silêncio é tamanho que posso ouvir
a brisa chegando e acariciando
as folhas da sibipiruna, do coqueiro-de-vênus.
Não sinto cheiro algum,
só ouço. Às vezes é bom parar para ouvir o mundo.
Bem no fundo deve está soando o som do ir e vir dos carros
e da máquina de cortar grama.
Soa como uma manhã de paz.

Nenhum comentário:

Postar um comentário