segunda-feira, 3 de junho de 2013

Recordar

Na concha do tempo,
Nos giros e sulcos de meu cérebro,
Nas árvores de meus neurônios
O que poderei encontrar?
Vagas lembranças
De minha infância,
Soltas imagens que doces viagens
Ao mundo que há hoje, mas que era desconhecido.
A alegria ao cair da chuva,
Ao ver a água correr,
A babugem crescer,
As flores desabrocharem perfumadas e coloridas.
Quem não tem doces lembranças da infância,
Console, oh, grande Deus.
Console, oh, grande Deus.
Mas nunca é tarde feliz para ser feliz,
A vida passa num triz...
Às vezes ouso buscar na memória,
Ouso retornar no que me dar no tempo
E tento recuperar minha alegria de viver
Como tinha quando chovia
E a chuva fazia tudo ressurgir
Que assim sempre ocorra
Quando tentar sentir minhas memórias

E nada mais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário