sábado, 29 de junho de 2013

Eterno revelar

O mundo que se revela me surpreende sempre.
O amanhecer, o vir a ser, o entardecer, o por do sol,
a despontar no nascente da lua, cães a ladrar na rua,
o desabrochar de uma flor perfumada e singela,
a maldade e a bondade humana, a poesia e o poeta.
Borges, Pessoa, Neruda e Drummond habitam minha
cabeceira e povoam minha mente. Anteontem fui apresentado
a Hilda Hilst, pela sua biografia conheci sua grandiosidade
oculta ao meu conhecimento. Pessoa que passou a vida
oculto, haverão tantos ocultos empoeirados
diluídos neste mundo. Outro dia numa parada de ônibus,
descobri um colecionador e construtor de máximas, Fabiano de Melo,
uma pérola gerada no Piauí. No seio do Nordeste,
não sei porque nos surpreende...
Mas tantos outros povoam minha mente, Foucault, Sartre, Nietzsche,  Kafka,
Gogh, Mozart, Schumman,  Holst, Bach.
Quando penso no tempo, que já vejo com profundidade,
vejo que ainda tenho o mesmo anseio por conhecer este mundo,
revelado por tais faróis,
e pelas luzes que me cercam, minha família, meus amigos
e por todos aqueles que amam o que faz e faz com prazer,
que servem a todos e por todos é servido.

Nenhum comentário:

Postar um comentário