quinta-feira, 4 de abril de 2013

Vanita

All is vanitas

A manhã caiu suave e nublada.
Zéfiro passou afável,
beijou Flora doce e perfumada 
e partiu.
As coisas agradáveis são deliciosas
de serem vividas,
mas as coisas desagradáveis
tem um certo dissabor.
As estações se sucedem,
o fruto doce ou é consumido
ou apodrece.
Tudo é tão passageiro
e se tudo é tão passageiro
porque há vaidade?
Vaidade em contemplar
a manhã nublada
e sentir a brisa suave,
Virão dias de sol e calor
e dissabor
e vamos esperar por dias melhores.
E o que nos sustenta vivos
senão a esperança.
Zéfiro sempre virá
beijar Flora!
Mas flora é vanita
e Zéfiro não...
Zéfiro é eterno
E flora é passageira.




Nenhum comentário:

Postar um comentário