domingo, 28 de abril de 2013

Tempo eterno jovem

Carregamos conosco memórias que vivemos, memórias de nosso tempo.
Cada um tem o seu tempo, cada um pertence a um tempo.
E o desfecho deste tempo faz de nós que somos.
E o que fazemos deste tempo é construir a nossa história.
A nossa memória nos é fiel ao tempo.
Somos frutos de um tempo, de nossas memórias
que está tecida com aqueles que viveram e vivem conosco, 
assim como somos parte de suas memórias.
O tempo se renova em nossos sobrinhos, nossos filhos
e tudo brota do amor e que foi maravilhoso.
No fim tudo se desbota com o tempo
paulatinamente vai sendo substituído,
o que foi vai perdendo o brilho e o vigor
passa a ser ultrapassado, matéria, diversão...
As coisas parecem avançar,
temos aversão ao antigo, sem percebemos que também ficamos antigos
em nosso pensar, em nosso agir.
Amamos o novo que muitas vezes é revelador.
O tempo nos ensina que não há mistério no mistério que revelado
e muito do que existe nos é revelado perde a graça como a flor perde o viço.
E temos que aprender a dar vida e brilho em nossas crenças
e nos tornamos categóricos e ultrapassado...
Nem imaginamos como somos ultrapassado quando cremos
que as cosias novas são menos interessantes ou valorizadas,
quando damos brilho ao que cremos ser o melhor.
Nos enganamos, assim o tempo nos ensina
e assim parece também a vida a nos ensinar.
Mais dia ou menos dia nos olhamos no espelho,
e nos deparamos com a realidade que estamos velhos e ultrapassados,
que nosso universo simplesmente encolheu, somos reféns de nossos corpos,
somos reféns de nossos pensamentos.
Para nossa sorte podemos recomeçar ou ao menos tentar.
Porque a realidade é dura feito granito e costuma nos por obstáculos
até que não possamos mais ultrapassar.
Cada segundo passado nos fere o último nos matará.
E o tempo seguirá eterno, jovem...
Se quisermos nos renovar temos que ceder nossos egoísmos
e dar vida a nossas sementes de vida
E tudo continuará reagindo,
como sempre foi e será

Nenhum comentário:

Postar um comentário