sábado, 6 de abril de 2013

Revelações


A vida revela tantas coisas a um homem.
A alguns lhes revela muito em pouco tempo a outros lhes revela pouco em muito tempo.
Na maior parte das vezes as revelações são forjadas através da dor. 
Sentimentos como o amor, reações como a doença, a sensação da desilusão, da angústia e por fim a morte. 

O amor é uma faca de dois gumes que corta profundamente quando não correspondido. Só sei que a vida é tão estocástica que ceder ao amor é muitas vezes ceder a dor. Portanto é preciso ser forte para poder amar. O amor é para poucos que tem coragem, em frente as provações da vida. O amor é a maior prova, a maior de todas as revelações que a vida pode lhe presentear. E sua descoberta, pode ser um grande começo ou um grande fim.

A doença é uma disfunção em nosso corpo físico que gera dor e busca pela cura. Esta dor gera uma reação a desordem uma busca a ordem a saúde. A doença é uma luta que se busca recuperar o que perdeu sem saber como isto aconteceu. A doença muitas vezes moraliza nossos orgulhos, nos serve de mestra a vida.

A desilusão cedo ou tarde chega ao homem. Nem todo homem é fraco o suficiente para sentir desilusão porque a alguns a vida é condizente já com outros é desconcertante e lhes revela a angústia.

A angústia advém das dúvidas, das decisões que temos que tomar perante a vida.

Mas qual o ser humano que não se angustia, diante de um fracasso, diante da revelação de suas fraquezas, de seus limites e tudo que lhe revela fronteiras. 

A morte é equacionadora de tudo que tem vida. A morte não tem cheiro nem textura, não tem cor.
A morte é um simples desencarnar. Eis que em meio a vida, em um milésimo de segundo, todo que a vida lhes revelou é deletado para a eternidade. A carne esfria, enrijece e muito em breve se degenera. E àqueles que compartilharam da vida resta o vazio e a dor.

Vida é sinônimo de possibilidades, algumas vezes precisamos de revelações para nos atermos e corremos atrás de uma destas possibilidades. Está diante destas revelações pode nos fazer aceitar a vida, aceitar as situações, aceitar a aceitar, não antes de refletir e tomar a decisão que lhes é revelada.

A dor é um divisor de águas nos ensina e para isso corta na nossa carne.

Felizes  os que creem em algo pois serão mais suaves os sofrimentos.

All is vanitas


Nenhum comentário:

Postar um comentário