domingo, 14 de abril de 2013

A roseira


Certo dia, num jardim muito grande, conheci uma rosa. Era tão vigorosa a roseira. Foi naquele dia que vi aquela rosa desabrochada. Aquela rosa perfeita, a mais perfumada, a mais delicada, a mais cativante. Descuidei que as rosas são belas, mas tem espinho. Destaquei aquele ramo e levei para o meu jardim e plantei-a ali em frente a minha janela. Todos os dias cuidava daquela pequena linda roseira que me dava as rosas mais belas, com o tempo fui me afeiçoando cada vez mais aquela linda roseira. Fazia todos os teus caprichos, conversava, regava, adubava, podava os ramos doentes. Tinha sempre os cuidados. Mas não contava com o mau tempo. As estações se passavam e cada vez menos via minha roseira. Vieram estações quentes e belas e a roseira me agradecia com cada rosa mais bela que a outra. Veio a estação de outono e a roseira perdeu as folhas, mas era minha minha roseira, passou o outono e veio a primavera e minha roseira me dava rosas mais lindas. E veio o inverno, mas a roseira resistiu em meu jardim, passamos juntos o mais frio dos invernos... E vieram várias estações, e os anos se passaram e nos esquecemos como nos cuidar dos tempos ruins. Descuidei muito da roseira e ela já não ligava em me presentear com rosas.
Então veio um inverno muito frio. Eu vi minha roseira não ia resistir, não ia reagir...
Só Deus sabe quanto sofri com a partida de minha roseira.
Aquela estação fria passou e minha janela está vazia...
Em minha memória todas as vezes que olho através da janela vejo o vermelho de suas pétalas, o brilho de suas folhas. Ainda sinto meu quarto perfumado, ainda vejo meu jardim com um tapete vermelho...
Onde andará a alma de minha roseira?
Onde andará minha linda roseira?
As coisas são tão suaves para aparecer, mas tão dolorosas para desaparecer...
Vejo as cores encarnada, viridescente, sinto o perfume, mas tudo não passa de ilusões...
Tristes ilusões!
A vida seguirá, mas minha roseira que imaginei viveria comigo para mim e comigo,
está embelezando o universo... Sabe-se lá.

Nenhum comentário:

Postar um comentário