sexta-feira, 1 de março de 2013

Paixão as palavras

Os livros por que lhes amo tanto?
O lugar onde cresci era o meu universo e tudo era tão imenso e havia tantos momentos de ociosidade o tempo se alongava tarde a fora. A noite via novela e o Jornal Nacional.
Quando a tarde caia, em minha casa, só restava dormir, sair para o mato ou não fazer nada. 
Então ficava ali na frente da casa na área olhando homens passarem a cavalo de jegue subindo e descendo com cargas de capim ou lenha. Uns apressados outros lentos, cada um a seu ritmo, gente passando com gado.
Então descobri as palavras e os livros que explicavam gramática, matemática, ciências entre tantas coisas. Descobri os livros não didáticos. Todos os nossos livros eram velhos e perfumados pelo tempo... Descobri um maravilhoso de Mahatma Gandhi, achei maravilhoso. Lia e relia as máximas que mais gostava. Li outro de Bruce Lee...
Lembro do primeiro romance que li o Cortiço de Aluízio Azevedo. Achei muito bom...
Aos poucos a leitura foi sendo inserida em minha vida, fui ocupando o ócio com textos, gostava de textos curtos... Depois vieram os romances. Praticamente lia tudo que caia em minhas mãos.
Aos poucos as coisas começaram a fazer sentido. Comecei então a me orientar por um universo paralelo ao que meus pais e os meus amigos diziam...
No início a leitura era apenas para matar o tempo, mas depois passou a ser o meu norte. Fui encontrando nos livros o alimento necessário ao meu bem estar. Aquelas histórias, instruções, questionamentos. Achava o máximo falar sobre os autores, sobre obras... Eu queria ser famoso como os escritores.
E foi assim que me tornei quem sou um eterno amante das palavras e dos livros

Nenhum comentário:

Postar um comentário