sexta-feira, 15 de março de 2013

O leiteiro

Por que simplesmente acordamos tristes?
Há dias em que nada na vida está errado,
tudo está muito bem, mas nos sentimos tristes.
Esta tristeza seria um sentimento carregados
por todos ou por apenas algumas pessoas?
Nem toda beleza da vida nos anima,
nem as melhores coisas, nada.
Porque algo nos falta nos sentimos assim
incompletos.
Seria memórias de coisas que vivemos
guardadas em nosso inconsciente
que aflora e nos faz sentir-nos assim?


Um leiteiro,
todos os dias punha a cangaia na burra e com os caixões de litros de leite e saia para a cidade
para vender leite. Não se sabia se era feliz ou triste, pois ele sempre sorria. Sorria de sua condição ou de seu estado?
Era uma pessoa com dificuldades mentais, nem louco, nem normal. Era uma pessoa que possivelmente nunca casaria, pois tinha uma mente pueril. Não trabalhava na roça porque não tinha força e jeito com a foice e a enxada.
Por isso era o vendedor de leite...
Fazia atividades de menino: por água em casa, vender leite e pastorar o gado...
Era tímido e sempre sorria.
Havia nele alegria ou tristeza ou medo ou subordinação.
Desconhecia as letras e lia a natureza como ela de expressava. Ignorava a beleza das flores, a lealdade dos cães, os animais eram apenas animais.
Via no riso do leiteiro tristeza...
Será que roubei aquele sorriso triste para mim?
Será que somos capazes de introjetar estes sentimentos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário