sábado, 9 de março de 2013

A barata angustida

Solitária na lixeira pensa a barata:
_ Quem sou eu? O que faço tem sentido para a minha vida?
Enquanto se alimenta do lixo a barata continua a pensar.
Sou uma barata, sou rica, vivo no meu mundo falto de alimento. Nunca me falta comida. Sou linda e maravilhosa, sei voar. Seria capaz de viver a uma gerra nuclear.
Tudo que faço é viver e ai está o sentido da vida. Viver.
A barata vivia sozinha, mas não sentia solidão...
Certo dia, enquanto chovia a lixeira virou jogando a barata para fora.
A lixeira foi arrastada para o rio.
A barata desamparada, logo buscou um abrigo até a chuva parar.
A barata se sentiu desamparada.
Quando parou a chuva, a barata saiu em busca de uma outra lixeira.
Não demorou muito encontrou uma lixeira.
Conseguiu entrar e uma surpresa ao entrar na lata haviam mais baratas. Estavam numa algazarra.
Sem graça a barata falou um oi.
As outras baratas a ignoraram e riram da barata.
Pela primeira a barata se sentiu ridícula, mas como não tinha para onde ir ficou ali mesmo.
Comeu do lixo e ficou só observado.
As outras baratas olhavam para ela com desprezo.
Até tentou conversar, mas não obteve atenção.
A barata se sentiu mal, feia e ridícula, mas precisava ficar ali ou achava que precisava.
Achou que poderia ser amiga das outras baratas.
Mas sempre era rejeitada.
As outras baratas se acostumaram com a barata, mas como ela sempre vivera sozinha, não sabia
como se portar, falava alto e o que pensava... Isto não era permitido...
Poxa barata por que não mandou elas se fuderem?
Mas não a barata ficou ali, aguentou até chegar o dia de ir embora.
Ficou ali para ver até onde suportava.
A vida nunca fora tão ingrata para a barata. Ela sentiu nojo de si, de tudo que pensava de quem era.
Então numa manhã de sol foi embora.
Encontrou uma lata de lixo sem baratas e foi viver sozinha.
Mas nunca mais foi feliz, pois ecoava em sua mente
as risadas e a recusa das outras baratas.
Então numa manhã de sol se atirou na calçada
e foi pisada pelo primeiro humano que passou.
Suicidou-se de tanta angustia.

Um comentário:

  1. Muito bom, gostei disso aí!

    Acarílton Eduardo

    ResponderExcluir