domingo, 30 de setembro de 2012

Subjetivismo




Muitas vezes quando nos sentimos só, nos sentimos também tristes e reduzidos. Neste mundo tão grande e maravilhoso há espaço para a solidão. Somos seres por natureza solitários. Cada um tem o seu universo, seus pensamentos e suas manias. Mas há dias que a gente acorda e se sente só no mundo, sentimos uma dor no peito, um vazio. Percebemos que as pessoas que mais amamos vão para muito distante e sentimos a falta do amor. Andamos perdidos, com o olhar desolado. Matutamos feito aves solitárias. Cada um matuta sobre o mundo que conhece.
Chegamos sentir saudades dos momentos vividos. As histórias que ficam impregnadas na memória e materializadas na matéria.
Dito isto, desenvolvi o hábito de observar. Observo as formas, as cores e os comportamentos e assim descubro mais do mundo. Mundo além de minha solidão.
Não faz muito tempo que percebi que faço parte da natureza que sou natureza.
O mundo tem me revelado tão sólido, e as relações tão líquidas e as situações tão plásticas.
Mas minha viagem chega ao fim resta a ti reflexão e fuga da solidão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário