quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Ando tão solitário. Vivo imbuído em meus pensamentos. Parece que vivo só no mundo.
Eu acordo e já neste ato me preocupo com o que hei de fazer para sustentar o amanhã.
Eu acordo, mal desperto meu cérebro se põe a pensar e a ler e a ouvir que passa no mundo ou o que nele aconteceu.
E esta sede de busca se estende dia adentro.
E consumo os fatos e as palavras que o codificam na crença que eles me darão um norte.
E todo o meu presente é canalizado nisto.
Que me importa o que acontece ao meu lado?
Mal tenho tempo para caminhar e respirar e ver o por do sol...
Meu Deus me sinto tão só.
O lago Paranoá que acaba ou começa perto de minha casa, me distrai. Nele posso ver e sentir o aroma de doces Ipomoea alba, ver as  margens ocupadas por lixo, ver os carros passarem e se engarrafarem na pista enquanto caminho.
Caminho ao lado do lago.
E vejo gente que não fala ou que ignora...
Ah, como me esforço para perder os quilos que se acumularam e que se teimam em permanecer em mim...
Mas ao menos me deixa feliz as Ipomoeas, a tesourinha a voar...
E tem as capivaras que passam nadando, ou que me ignoram, nem tem medo de mim. Outro dia um transeunte que parado olhava elas passarem disse que são nove...
Eu vejo os casais, vejo tanta coisa... vejo as plantas que florescem.
Ontem mesmo que como o sol partiu lindo.
Partiu lindo e só.
Volto pra casa. Com quem hei de conversar?
Com o computador ou o celular?
Essa vida líquida...
Tudo está tão próximo e tão distante.
Tenho sentido falta de Campinas.
Saudades da Dani e do Zé e da nossa casa e da Tereza...
Este tempo corrido... esta vida corrida e líquida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário