terça-feira, 18 de setembro de 2012

O garoto

Um pequeno garoto sempre caminhava no campo próximo a sua casa. O campo era de terra cansada, mato ralo. A casa era uma casa velha de tijolos a amostra, não rebocada. Sozinho a garoto se divertia com flores, calangos, aves e rochas que achava interessante. Não sabia nomear todas essas coisas, mas gostava delas mesmo assim. Gostava das flores por sua beleza e seu perfume. Gostava dos calangos porque se moviam com agilidade entre paus e pedras, também eram belos. Gostava das flores porque elas eram coloridas e tinham um canto lindo. Gostada das rochas por sua diversidade de formas e porque brilhavam.
Este garoto que sempre caminhava no entorno de sua casa. Aprendeu a conhecer o mundo. Aprendeu que aprender se inicia de pequenas coisas. Antes de tudo ele aprendeu a observar e observando, percebeu qual diversas eram as coisas. Ele sabia que existiam coisas, mas não sabia como chamar as coisas. Só sabia o que seus pais lhes davam significado. Pedra, plantas, flores, calango, pássaros e rochas era tudo que sabia. Quando aparecia alguém em sua casa ele gostava de ouvir o que os visitantes falavam. Estes falavam do que acontecia fora do mundo do pequeno garoto. Ele tentava entender, mas não consegui, pois não conhecia o significado das palavras, seu vocabulário era pequeno... Então certo dia para não se sentir só. O garoto começou a falar com as flores, os calangos, as aves e as rochas. Seus pais começaram a se preocupar porque o garoto criara   palavras próprias para falar com seus objetos...E o garoto foi para a escola e seu mundo se ampliou  quando aprendeu a ler e substantivar as coisas. O garoto compreendeu que haviam pessoas que criavam linguagem própria para viver no seu mundo. E esta intuição o deixou feliz.

Um comentário:

  1. E a esse garoto os pais chamaram Rubens, e ele ainda há de chamar muitas coisas por novos nomes por ele criados.
    ;P

    ResponderExcluir