quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Nova noite

A noite chega calma.
O céu azul se enrubresce
e depois de tinge de azul marinho.
Suave as estrelas surge.
As cores se apagam,
e apagam consigo as formas
e o que era próximo
torna-se distante.
A noite torna as flores brancas e perfumadas
que doce a Ipomoea alba e o Inga vera.
Quando finda a tarde,
desço lá pras bandas do lago,
vou caminhar a beira da água.
Olho para o céu e vejo aves voando,
as vezes dou sorte de ver as capivaras.
O vento sopra de onde o sol nasceu,
E vejo tudo isso,
e sou alegre como as ondinhas do lago
e me sinto feliz por existir.
Amanhã será outro dia.
Novas colunas, crônicas,
novos desafios
e uma nova noite.

Nenhum comentário:

Postar um comentário