quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Lua

Quando a noite cai enluarada.
Os vales, as montanhas
e as planícies ficam inundadas
da fria luz branca da lua.
A coruja canta tarde da noite,
e logo chega o vento de açoite.
E quando fica tarde da noite,
a natureza viva se movimenta,
formigas a forragear,
corujas a cantar
e morcegos a voar...
Toda a natureza permanece clara,
toda a natureza permanece calma.
E as ondas que quebram na praia
foram um espelho de água na areia.

É noite, noite de lua cheia...

Flores brancas desabrocharam,
flores brancas perfumaram
para nix, a deusa da noite.
E a noite segue bela e eterna.

E outra noite de lua cheia.
A mesma lua que enamorou
meus avós, meus pais
e me enamora...
A lua será sempre bela,
sempre esteve lá
e nós somos meros observadores,
embalados em amores
até o fim de nossa espécie.

Nenhum comentário:

Postar um comentário