quinta-feira, 29 de março de 2012

A porta do tempo

O fim da tarde foi tão belo.
Sai para pedalar e respirar
o ar que que escorre nas ruas.
O céu estava tão limpo
e o vento era frio.
Aos poucos o sol
se escondia atrás das grandes árvores.
Pedalava sem pressa,
bem devagar olhando
para as ervas, arbustos
e árvores tentava
como sempre faço
classificá-las em minha mente,
mas o céu tomou
toda minha atenção.
O céu era todo azul
com nuvens brandas
desfiadas feito fibras
de algodão esticadas.
Parei e fiquei contemplando
por um longo instante,
um instante divino
e por um momento
vi que aquele planeta
que surgia no poente
trouxe a lembrança
de muito tempo atrás
quando ainda sonhava entrar
na universidade.
Voltei no tempo
foi como se cai-se
a ficha, tanto tempo
passou e parece que nada
aconteceu.
Aquele planeta
foi como uma porta que
num instante viajei para
o massado e para o futuro
tanta coisa que esperava
que aconteceu e que nem curti.
Ah, a tarde.
A bela tarde
disse que era para
eu parar e viver mais a vida,
porque tudo
passa sem que percebamos
e quando percebemos
o tempo já passou. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário