sábado, 25 de fevereiro de 2012

Desordem

Às vezes acordo e sou tomado por meus pensamentos acelerados e desorganizados. Fico um pouco na cama, mas logo sinto um calor espalhando em mim, sinto-me incomodado. Então sou obrigado a levantar, como as minhas ideias costumam ser reticuladas, não consigo articular meus pensamentos. Tenho que aprender a tornar meu pensamento linear. Ideias confusas nos impedem refletir, nos sufoca. Vou a janela, abro-a e contemplo meu jardim que é vivo e viçoso. Gosto de sentir a energia emanada por minhas plantas. Estas pois crescem incessantemente e lentamente. Quando as observamos diariamente, parece que nada acontece, mas basta que nos ausentemos por algum tempo e logo se percebemos como mudou de sua fisionomia do jardim. Ao abrir a janela do meu quarto, fiquei surpreso ao ver como cresceram minhas plantas a Dichorisandra e o Triplaris. Minha Petivria aproveitou-se de minha ausência para florir. Não gosto que ela solte flores, pois tem um aroma muito forte, por vezes desagradável. Vejo que meu quintal precisa ser varrido e organizado. Se os meus pensamentos pudessem serem varridos como o meu quintal, seria mais fácil. Os pássaros até sumiram na minha ausência, acho que é por não ter quem colocasse frutos para eles. Ontem pus uma banana, mas eles não apareceram, só vieram aparecer hoje. Chegaram mais felizes, acho que é por está de volta.
Quando se está só, fica-se ansioso. E assim pensa-se de tudo... Acho que sempre foi assim. Quando morava na moradia, em Natal, nos sábados como hoje, eu tinha roupas para lavar e não tinha máquina, então passava meu tempo e livrava-me de meus pensamentos na lavanderia. Atualmente não é bem assim. Fui infectado com o vírus da contemporaneidade e acordo pensando em trabalho. E como me livrar de meus pensamentos. As vezes leio, escrevo. Estou lendo Ecce Homo, de Nietzsche. Está funcionando. É assim mesmo, temos que ir experimentando, e assim se aprende.

Nenhum comentário:

Postar um comentário