sábado, 4 de fevereiro de 2012

Averso

O sol brilha intensamente. É verão.
Nenhuma folha se move, a brisa sumiu.
Por onde andará o vento?
Meu jardim já está pedindo água,
as folhas secas se acumulam sobre o chão árido.
A luz intensa do sol clareia todo meu quarto.
E o calor que surge com toda sua intensidade e chega a me incomodar.
Ligo o ventilador e fico a pensar no meu pensar.
Fico a pensar na ordem das coisas,
a pensar na desordem que há no mundo,
mas que existe uma certa ordem nesta desordem do mundo.
A vida, pra ser vida é preciso que haja ordem
e é a desordem que ceifa a vida.
Então acho que seria melhor se ouvisse algo.
Ligo o computador e lembro de Verdi.
Sim o Nabuco e então ouço e aprecio o som das vozes italianas.
Ah, neste instante me livro dos pensamentos humanos
como quem ama, como quem fuma e como quem bebe
e neste instante esqueço tudo é como se renascesse.
O tempo vai passando e o calor só aumenta.
Prefiro a chuva, mas não posso viver
num mundo onde só haja chuva.
Não posso viver apenas o que nos dar prazer.
É preciso viver o desconhecido e o adverso que é para amar mais o que se tem
ou aprender a amar outras coisas.
Num dia de sol por exemplo
as coisas são mais nítidas, claras,
então saibamos aproveitar das coisas nítidas e claras.
E viva ao Nabuco, viva ao sol e ao dia quente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário