domingo, 18 de dezembro de 2011

O Vento

O vento quando sopra
segue sempre uma direção.
O vento não tem intenção,
mas rouba o perfume das flores
e distribui entre os amores.
Beija a flor proibida sem nenhum pudor.
Acho que o vento
é mesmo um serviçal
de erus.
Será?
Sei lá.
Só sei que ele vai mundo a fora,
mal chega já vai embora.
Porque o vento não tem limites,
não tem fronteiras,
não marca as horas,
não escolhe o lugar,
Simplesmente vai mundo afora.
mal chega vai embora.

Um comentário: