quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Atravessar

A manhã chegou faz tempo, mas  o sol não apareceu. Hoje é mais um dia daqueles que pra mim é perfeito. Manhã nublada, muito úmida, uma maravilha para ficar na cama, mas como não tenho esse hábito, além do mais é quinta-feira, não posso me dar o luxo. Então acordei bem cedo, preparei o meu chá, vasculhei na internet as notícias que queria ler. Selecionei algumas que achei serem boas para serem compartilhadas. Então como sempre faço fui a janela olhar o mundo. Olho para o céu nublado, as plantas de meu jardim. Não tem como não ficar namorando a minha linda acácia. Está perdendo as flores e ganhando folhas. A maior parte das flores são abortadas, mas muitas foram fecundadas. Logo os frutos aparecerão. Muitas coisas acontecerão até lá. Mas essa manhã, ai que delícia, tenho que contempla-la por ser tão gostosa, fria e silenciosa. Uma das certezas que tenho é que o que me resta na vida são os momentos do presente, o instante em que vivo o resto é passado não me pertence mais ou futuro algo que não atingi. Todavia posso sentir e viver as coisas. Posso guardar em minha mente tudo que penso ter e isso inclui essa manhã que caminha feito idoso, para seu fim. Então vejo as folhas das plantas do meu jardim surgirem uma a uma, bem devagar e vão aparecendo e se fazendo firmes e fortes, mas na medida do tempo, usando tudo que é necessário gastar para serem forte. Ah que delícia é essa suave manhã.

Nenhum comentário:

Postar um comentário