segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Saudades

Levo em minha mente imagens de pessoas e lugares maravilhosos, de doces risos, de belas flores. Carrego ainda, muitas saudades dos meus parentes e amigos que partiram e numa viagem sem volta. Pessoas que compartilharam comigo suas alegrias, suas tristezas, seus problemas, mas que me deram o que havia de melhor que podiam me dar a amizade. E de vez em quando consigo resgatar da memória essas imagens, o resgate vem a partir de situações que revivo, em aromas que sinto, em formas e cores, em gesto ou o simples contemplar de uma paisagem. Uma dessas pérolas com quem eu e meus amigos pudemos conviver e compartilhar bons momentos, mesmo que simples momentos, mas muito bons, tudo isso na época em que eramos residentes da moradia estudantil, e dividíamos os mesmos ambientes o mesmo prédio. Seu nome era Taneberge Albano, fazia psicologia, era uma das pessoas boas e religiosas que conheci, tinha a voz suave como o vento ecoando num vale, a rizada engraçada, enfim era uma pessoa super educada.  E uma coisa das coisas que costumávamos fazer era tirar um tempinho para conversar. Geralmente, sentávamos no pátio da residência, onde tinha vários bancos de cimento, a noite e enquanto mirava as estrelas, os planetas, ou simplesmente observava as formigas trabalhando, o papo ia sendo tecido como quem tricota e ver teve. E eu como sempre, sem noção, falava mais do que devia e assim arrancava risos dos amigos e ria com as safadezas dos outros. Naquela época, tinha amigos para conversar, e mesmo tendo o que fazer tirava um tempinho para ser amigo e  ter os amigos, e foi uma época muito difícil, mas muito boa. Foi neste período que conquistei os meus amigos. Todavia, esse meu amigo, quando que iria viajar para uma nova cidade, resolveu ir pra praia comemorar, e foi com o pessoal da igreja tomar banho de mar, e infelizmente o mar tragou-lhes o que mais raro ele tinha, sua vida. Choramos muito, ficamos muito triste, no entanto, restaram boas lembranças, as boas intenções. E as vezes quando estou só, em silêncio, lembro da algazarra que era conversar, não se sentir só.

Nenhum comentário:

Postar um comentário