terça-feira, 4 de outubro de 2011

Quem sou?


Queria que algo roubasse minha alma de mim, mesmo que fosse só por um instante. Queria por este instante deixar de ser eu. Queria me ver como o outro me ver, sem subjetivismo. Queria realmente me conhecer. Queria por um instante fugir de mim. Quem sabe o que queria constituir. Talvez os tecidos de uma flor, ou talvez páginas de livros, penas de águia. Sei lá queria fugir de mim por um instante. Queria me sentir como um papus leve levado ao vento. Estou me sentindo muito pesado, como se minha carne fosse feitas de fibras de aço, meu sangue de mercúrio meus ossos de chumbo. Uma sensação toma conta de mim, e me deixa assim, escuro como a sombra da noite. Tudo isso porque não sei quem sou, não sei o que fazer. Seguir em frente, mas em que direção? Hoje vi o vento, que parecia vento de praia, daqueles de arribar saia. Vi o vento balançar a tipuana cheia de flor, me deu uma vontade de ser vento, mas só para sentir essa leveza. Minha acácia está começando a florir flores amarelas, logo vai ficar tão bela. Logo vai me alegrar, as flores da sibipirunas partem, mas logo vai chegar a das acacia. As flores do jasmim já floriram. Queria ser todas elas só para contemplar a natureza, a estação sem nada pensar, mesmo que seja por fase tão efêmera. Uma ideia não me sai da cabeça. A ideia de liberdade, a ideia de leveza, logo que terminar meu trabalho, logo que encontrar a beleza nele escondida. Vou sorrir e me sentir feliz como girassois de Gogh. Por isso quem me dera me ver de fora por um instante como sena de novela. Quero realmente descobrir quem sou, se sou bom ou ruim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário